Investimento alemão na China diminui no 1° semestre após pico recorde

Por Sarah Marsh

BERLIM (Reuters) - O investimento direto alemão na China diminuiu no primeiro semestre do ano, embora tenha permanecido próximo de seu pico recorde de 2022 e tenha aumentado como parcela do investimento geral do país no exterior, de acordo com dados oficiais analisados pelo instituto IW.

O investimento na China caiu para 10,31 bilhões de euros no primeiro semestre de 2023, de 12 bilhões de euros no primeiro semestre do ano passado, disse o IW em uma análise compartilhada exclusivamente com a Reuters.

No entanto, isso ainda era quase o dobro dos 5,5 bilhões de euros investidos em 2019, antes da pandemia do coronavírus. Também foi mais do que o dobro dos 4 bilhões de euros investidos em média no primeiro semestre de cada ano durante a década anterior.

Os dados ressaltam as preocupações de que as empresas alemãs continuem a investir pesadamente na China, apesar dos apelos do governo para que as empresas reduzam sua exposição e de seu corte acentuado nas garantias de investimento para o país.

Os fluxos de investimentos diretos alemães gerais caíram mais acentuadamente, de 104 bilhões de euros no ano passado para 63 bilhões de euros, conforme a maior economia da Europa luta contra uma recessão.

Como resultado, o investimento na China como uma parcela dos investimentos gerais da Alemanha na verdade aumentou para 16,4% no primeiro semestre, de 11,6% no ano passado e 5,1% em 2019, disse o IW.

"A tendência em relação à China permanece praticamente inalterada também neste ano", disse o analista do IW, Juergen Matthes. "Embora a economia alemã esteja, em geral, investindo muito menos no exterior, os novos investimentos diretos na China continuam quase tão altos quanto antes."

Matthes ressaltou que a maioria dos investimentos na China foi financiada por lucros reinvestidos.

Deixe seu comentário

Só para assinantes