Lula defende a Zelenskiy negociação por paz duradoura que evite nova "ocupação territorial como fez a Rússia"

(Reuters) - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse a jornalistas na noite de quarta-feira que defendeu em conversa com o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, a formação de uma mesa de negociação para a "construção de uma paz duradoura para que nunca mais aconteça uma ocupação territorial como fez a Rússia".

No relato sobre a conversa que teve com o presidente ucraniano em Nova York, onde ambos participaram da abertura da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Lula também disse que afirmou a Zelenskiy que, em uma negociação, ninguém vai conseguir tudo o que deseja.

"Eu disse ao Zelenskiy a necessidade de a gente trabalhar para construir a paz, disse a ele a necessidade de a gente encontrar um grupo de países amigos que pudesse construir uma proposta que não fosse nem de um, nem de outro, e que a negociação em uma mesa de diálogo é muito mais barata que uma guerra, não tem vítimas não tem morte e não tem tiro", disse Lula a jornalistas antes de embarcar de volta para o Brasil.

"Ninguém vai ter 100% numa guerra, ninguém consegue ganhar tudo. Ou seja, não é apenas a derrota do inimigo, é a construção de uma paz duradoura para que nunca mais aconteça uma ocupação territorial como fez a Rússia", afirmou.

No passado, Lula chegou a irritar lideranças ocidentais ao afirmar que Zelenskiy também era responsável pela guerra, iniciada quando a Rússia invadiu o território da Ucrânia em fevereiro de 2022, e que as potências ocidentais contribuíam para a continuidade do conflito ao fornecer armas à Ucrânia.

Recentemente, no entanto, Lula tem enfatizado a posição oficial da diplomacia brasileira de condenar a violação da integridade territorial ucraniana assim como a imposição unilateral de sanções contra a Rússia. O presidente brasileiro também tem defendido com frequência a formação de um grupo de países sem envolvimento no conflito para mediar negociações de paz.

Mais cedo na quarta-feira, o ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, disse que Lula e Zelenskiy tiveram um "entendimento mútuo e bom" e que a conversa aconteceu "em clima de cooperação".

Ao sair do encontro, o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, chegou a afirmar que o encontro servira para "quebrar o gelo" entre os dois chefes de Estado, para em seguida se corrigir: "Não que houvesse gelo para ser quebrado".

"Foi uma conversa agradável e honesta e os dois presidentes hoje entendem as posições um do outro muito melhor", continuou Kuleba.

Continua após a publicidade

Depois do encontro, os dois presidentes fizeram postagens em suas redes sociais. Em uma foto cumprimentando Zelenskiy, Lula escreveu que teve uma "boa conversa sobre a importância dos caminhos para construção da paz e de manter o diálogo sempre aberto entre os nossos países".

Já o presidente ucraniano afirmou que teve uma "reunião importante" com Lula, ocasião em que ocorreu uma discussão "honesta e construtiva".

(Reportagem de Lisandra Paraguassu)

Deixe seu comentário

Só para assinantes