Rússia reduz exportações de diesel em setembro para atender à escassez doméstica

MOSCOU (Reuters) - A Rússia reduziu suas exportações marítimas de diesel e gasóleo em quase 30%, para cerca de 1,7 milhão de toneladas nos primeiros 20 dias de setembro, em relação ao mesmo período de agosto, uma vez que as refinarias locais entraram em manutenção sazonal e o mercado doméstico enfrenta uma escassez de combustível e preços em alta, disseram traders e dados do LSEG.

A capacidade ociosa de refino de petróleo primário para setembro é estimada em 4,657 milhões de toneladas, um aumento de 45% em relação a agosto, de acordo com cálculos da Reuters.

Devido à escassez doméstica de combustível, o governo da Rússia está considerando uma taxa de exportação para produtos petrolíferos de 250 dólares por tonelada -- muito mais alta do que as taxas atuais -- de 1º de outubro até junho de 2024, disseram fontes à Reuters na terça-feira.

"O imposto de exportação pode afetar negativamente a economia das refinarias e pode levar a uma redução na produção de combustível", disse um trader.

Em setembro, até o momento, a Turquia continua sendo o principal destino das exportações de diesel dos portos russos, embora tenham caído quase pela metade, para cerca de 600.000 toneladas, mostraram os dados do LSEG.

Os carregamentos de diesel da Rússia para o Brasil diminuíram em um terço em relação ao mês anterior, para cerca de 260.000 toneladas desde o início deste mês, de acordo com os dados de transporte.

Enquanto isso, cerca de 150.000 toneladas de diesel dos portos russos foram destinadas em setembro para carregamentos de navio para navio (STS) perto do porto grego de Kalamata e os destinos finais desses volumes ainda não são conhecidos.

Os suprimentos de diesel russo para os países africanos totalizaram cerca de 460.000 toneladas nos primeiros 20 dias de setembro, com Tunísia, Líbia e Gana entre os principais importadores.

Outras 190 mil toneladas de diesel carregadas nos portos russos desde o início deste mês ainda não têm destino confirmado.

Continua após a publicidade

Todos os dados de remessa acima são baseados na data de partida da carga.

(Reportagem da Reuters)

Deixe seu comentário

Só para assinantes