Empresas da zona do euro estão finalmente absorvendo pressões salariais, diz economista-chefe do BCE

NOVA YORK (Reuters) - As empresas da zona do euro estão finalmente absorvendo as pressões salariais e o mercado de trabalho começou a se suavizar, disse na quinta-feira o economista-chefe do Banco Central Europeu, Philip Lane, sugerindo que as pressões inflacionárias decorrentes dos aumentos salariais estão finalmente diminuindo.

O BCE elevou sua taxa de depósito para um recorde de 4% na semana passada para combater a inflação excessiva, mas um mercado de trabalho excepcionalmente apertado manteve a pressão de alta sobre os salários, aumentando o risco de aumento dos preços ao consumidor.

Embora esteja longe de declarar vitória sobre a inflação, Lane argumentou que há sinais preliminares de que as pressões salariais podem estar se suavizando, o que pode aliviar os temores de algumas autoridades de política monetária conservadoras que estão mantendo novos aumentos nas taxas de juros sobre a mesa.

"A contribuição dos lucros unitários para a inflação anual no primeiro semestre de 2023 foi moderada em relação à sua contribuição em 2022, sugerindo que as pressões salariais crescentes estão começando a ser absorvidas pelas empresas", disse Lane em um discurso em Nova York.

"A projeção é que os aumentos de preços abaixo do aumento dos custos unitários do trabalho contribuam ainda mais para a desinflação necessária em 2024", disse ele aos Money Marketeers da Universidade de Nova York.

Embora as taxas de desemprego estejam se mantendo em níveis mínimos, o que é um paradoxo para alguns dado o aumento dos custos dos empréstimos e a estagnação da economia, Lane disse que uma mudança pode estar em andamento.

"O mercado de trabalho tem se mantido resiliente até agora, apesar da desaceleração da economia, mas mostra sinais de perda de ímpeto", disse ele.

Embora Lane tenha repetido a orientação padrão do banco, que não descarta um novo aumento, ele acrescentou que uma "série de simulações baseadas em modelos" feitas pelo BCE sugere que o banco já fez o suficiente.

A inflação da zona do euro foi de 5,2% em agosto na base anual, bem acima da meta de 2% do BCE. A instituição projeta que a inflação se manterá acima de 3% no próximo ano e a vê abaixo de 2% apenas no último trimestre de 2025.

Continua após a publicidade

(Reportagem de Michael Derby)

Deixe seu comentário

Só para assinantes