Ibovespa ensaia recuperação com apoio de Vale e Petrobras

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa ensaiava uma recuperação nesta sexta-feira, apoiada principalmente em Vale e Petrobras, na esteira da alta dos preços de commodities como o petróleo e o minério de ferro, enquanto IRB (RE) era destaque positivo após resultado mensal.

Às 10:54, o Ibovespa subia 0,25 %, a 116.431,6 pontos. O volume financeiro somava 3,3 bilhões de reais. Apesar da alta, o índice ainda perde cerca de 2% no acumulado da semana.

Na véspera, o Ibovespa caiu 2,15%, contaminado pela aversão a risco global após o Federal Reserve sinalizar uma política monetária restritiva por mais tempo.

Em Wall Street, nesta sexta-feira, o S&P 500 estava em alta de 0,1%, com o noticiário trazendo dados de atividade da economia norte-americana.

Na visão do superintendente da Necton/BTG Pactual, Marco Tulli, o mercado brasileiro sofreu na véspera com o mau humor nos mercados globais e nesta sessão busca corrigir alguns exageros, ajudado localmente pelo alívio na curva de juros.

DESTAQUES

- VALE ON subia 1,39%, a 68,44 reais. Os contratos futuros do minério de ferro subiram nesta sexta-feira, apoiados por políticas de apoio da China à economia e depois que a Rio Tinto interrompeu os trabalhos em uma mina de Pilbara após um incidente.

- PETROBRAS PN avançava 0,83%, a 34,04 reais. No exterior, os preços do petróleo subiam, com preocupações renovadas sobre a oferta global decorrentes da proibição da exportação de combustíveis por parte da Rússia neutralizando os receios sobre a demanda.

Continua após a publicidade

- ITAÚ UNIBANCO PN operava estável, a 26,99 reais, reduzindo o fôlego da abertura, assim como BRADESCO PN operava estável, a 14,26 reais.

- IRB(RE) subia 4,81%, a 41,62 reais. A empresa de resseguros divulgou na noite de quinta-feira que registrou lucro líquido de 22,3 milhões de reais em julho, em comparação com prejuízo de 58,9 milhões de reais no mesmo mês do ano passado. Na máxima mais cedo, a ação subiu a 42,99 reais.

- EQUATORIAL ON caía 1,03%, a 32,81 reais, entre as maiores pressões de baixa. O índice do setor elétrico cedia 0,46%.

- BRASKEM PNA recuava 2,02%, a 20,86 reais, tendo renovado mínima intradia desde o começo de maio a 20,8 reais. Os papéis seguem pressionados pelas incertezas envolvendo uma esperada venda da participação da Novonor na petroquímica.

Deixe seu comentário

Só para assinantes