Operações da polícia contra o tráfico de drogas deixam 11 mortos na Bahia

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Aos menos 11 suspeitos de ligação com o tráfico de drogas foram mortos em operações das forças de segurança da Bahia contra o tráfico de drogas nos últimos dois dias, informou a Secretaria de Segurança Pública nesta sexta-feira, em mais uma onda de violência no Estado.

Seis mortes aconteceram nesta sexta na capital Salvador, depois que as forças de segurança foram até o bairro de Águas Claras para cumprir 43 mandados de busca e apreensão e de prisão contra suspeitos de envolvimento com o crime organizado.

Durante a ação houve resistência de criminosos e troca de tiros, e seis suspeitos morreram após serem levados para o hospital com ferimentos, de acordo com a secretaria estadual.

“Nas diligências, 15 homens e mulheres tiveram os mandados de prisão cumpridos e seis resistiram, foram socorridos para o hospital, mas não sobreviveram“, disse a Secretaria de Segurança.

Na véspera, uma ação conjunta das polícias civil, militar e federal resultou em outros cinco suspeitos mortos no município de Simões Filho, de acordo com o governo baiano.

”Os policiais foram até o Barro Duro, localidade no município de Simões Filho, e visualizaram os homens. Na aproximação, os integrantes de uma facção atiraram e acabaram feridos. Eles foram socorridos, mas não resistiram”, informou a secretaria.

De acordo com a pasta, os homens teriam envolvimento com um confronto ocorrido em Valéria, um bairro de Salvador, na semana passada, que terminou com um policial federal morto e outros dois, um civil e um federal, feridos.

Três fuzis, uma carabina, uma submetralhadora, uma espingarda, seis pistolas, dois revólveres, granada, munições, entre outros itens foram apreendidos ao longo da semana, de acordo com as autoridades.

A Bahia tem registrado uma série de mortes durante ações policiais ou com envolvimento do crime organizado nos últimos meses, com 19 mortes no intervalo de apenas uma semana no início de agosto e uma chacina com nove vítimas no mesmo mês.

Continua após a publicidade

(Por Rodrigo Viga Gaier)

Deixe seu comentário

Só para assinantes