BCE precisa ser cauteloso para não exagerar nas taxas de juros, diz Villeroy

PARIS (Reuters) - O Banco Central Europeu (BCE) chegou a um ponto em que precisa ser cauteloso para não elevar demais as taxas de juros e deve tentar evitar um pouso forçado da economia, disse o integrante da autoridade monetária europeia François Villeroy de Galhau nesta segunda-feira.

O BCE elevou sua principal taxa de juros para um nível recorde de 4% este mês, após 10 aumentos sucessivos, mas sinalizou uma pausa em outubro.

No entanto, desde então, alguns membros do BCE indicaram que um aumento ainda é possível em face da inflação teimosamente alta da zona do euro, que, em 5,2% em agosto, continua bem acima da meta de 2% da autoridade monetária.

Villeroy disse que o risco de fazer demais -- e possivelmente desencadear uma recessão -- e o risco de fazer muito pouco estavam agora simetricamente equilibrados após a série de aumentos das taxas.

Se o BCE exagerar na dose, o banco central poderia correr o risco de ter que reverter rapidamente o curso, disse ele em uma conferência no banco central francês, que ele também dirige.

"Portanto, 'testar até quebrar' não é uma forma sensata de calibrar a política monetária", disse ele.

"Isso sugere que agora devemos nos concentrar na persistência da política e não na constante elevação das taxas -- duração em vez de patamar."

Villeroy disse que o nível atual das taxas de juros é alto o suficiente para reduzir a inflação e que, se os mercados refletissem totalmente a estratégia do BCE, eles não deveriam esperar cortes nas taxas antes de "um período de tempo suficientemente longo".

Ele disse que a crescente confiança dos integrantes do BCE em atingir seu objetivo de reduzir a inflação para 2% até 2025 significava que agora eles também poderiam tentar evitar um pouso forçado na economia.

Continua após a publicidade

O banco prevê que a inflação se manterá acima de 3% no próximo ano e a vê abaixo de sua meta de 2% apenas no último trimestre de 2025.

Embora a atual recuperação dos preços do petróleo não tenha sido um choque geral nos preços das commodities como em 2021-2022, ela precisou ser monitorada quanto ao possível efeito indireto sobre as expectativas de inflação e os salários, disse Villeroy.

(Reportagem de Leigh Thomas)

Deixe seu comentário

Só para assinantes