Chevron prepara nova perfuração de petróleo na Venezuela para aumentar produção

Por Marianna Parraga

HOUSTON, 25 Set (Reuters) - A Chevron planeja adicionar 65 mil barris por dia (bpd) de produção de petróleo venezuelano até o final de 2024 por meio de sua primeira grande campanha de perfuração no país desde que Washington permitiu que a empresa restaurasse a atividade cortada pelas sanções dos Estados Unidos, disseram três fontes com conhecimento no assunto.

O esforço poderá ajudar a Venezuela a manter o aumento da produção de petróleo bruto e acelerar a meta da companhia de recuperar 3 bilhões de dólares em dividendos não pagos e dívidas de seus projetos no país.

As joint ventures da Chevron com a empresa petrolífera estatal venezuelana PDVSA agora produzem cerca de 135 mil bpd e exportaram uma média de 124 mil bpd para os Estados Unidos este ano, de acordo com estimativas independentes e dados de exportação, perto dos níveis que tinham antes de Washington impor sanções ao país em 2019.

Os fluxos atuais de petróleo representam um aumento de 70% em relação à produção média em 2022.

Quase todo o aumento da produção de 70 mil bpd do país até agora neste ano veio dos projetos Chevron-PDVSA. Mas, para ir além, são necessárias grandes plataformas de perfuração especializadas que podem ser difíceis de encontrar na Venezuela, disseram as fontes.

META DE 1 MI BARRIS POR DIA

A meta de produção da Chevron de atingir 200 mil bpd até o final do próximo ano pode ajudar muito a Venezuela a alcançar seu objetivo de ultrapassar 1 milhão de bpd, de uma média de 785 mil bpd até agora em 2023.

A campanha da empresa exige a adição de pelo menos duas poderosas plataformas de perfuração. O equipamento será instalado inicialmente no projeto Petroindependencia no Cinturão do Orinoco, a principal região produtora de petróleo da Venezuela, disse uma das fontes.

Continua após a publicidade

Duas outras joint ventures, a Petropiar, também no Cinturão do Orinoco, e a Petroboscan, próxima ao Lago Maracaibo, na região oeste do país, receberão as sondas em seguida. A ideia é perfurar dois poços por mês no Orinoco, disse essa pessoa.

A PDVSA não respondeu a um pedido de comentário. O Tesouro dos Estados Unidos não quis comentar. A Chevron disse que continua a conduzir seus negócios em conformidade com as leis e regulamentos, com a estrutura de sanções fornecida pelo Escritório de Controle de Ativos Estrangeiros (OFAC, na sigla em inglês).

(Reportagem adicional de Sabrina Valle e Matt Spetalnick)

Deixe seu comentário

Só para assinantes