Presidente do BCE aposta que manutenção das taxas em níveis recordes reduzirá inflação

FRANKFURT (Reuters) - A taxa de juros em nível recorde do Banco Central Europeu pode ajudar a reduzir a inflação para 2%, disse a presidente do BCE, Christine Lagarde, nesta segunda-feira, repetindo a orientação do banco que não promete nem exclui novos aumentos da taxa, atualmente em 4%.

As autoridades de política monetária forneceram diferentes interpretações dessa orientação na semana passada, com um extremo argumentando que o próximo passo provavelmente será um corte na taxa, enquanto o outro lado diz que a chance de outro aumento pode estar próxima de 50%.

"Consideramos que nossas taxas de política monetária atingiram níveis que, mantidos por um período suficientemente longo, darão uma contribuição substancial para o retorno oportuno da inflação à nossa meta", disse Lagarde.

No entanto, Lagarde destacou uma modesta suavização em um mercado de trabalho em geral resiliente, o que ajudará a desinflação depois que o rápido crescimento dos salários nominais manteve a pressão sobre os preços.

"O mercado de trabalho está finalmente se ajustando e provavelmente levará um pouco mais de tempo para se ajustar", disse ela à Comissão de Assuntos Econômicos e Monetários do Parlamento Europeu. "A criação de empregos no setor de serviços está moderando e o impulso geral está diminuindo."

Os mercados não veem mais aumentos nas taxas com base na premissa de que preocupações com uma desaceleração econômica se tornarão maiores do que a preocupação com a inflação. Os investidores também veem uma pequena chance de um corte nas taxas até junho próximo e veem um corte quase totalmente precificado até julho.

"Os indicadores recentes apontam para um enfraquecimento ainda maior no terceiro trimestre", acrescentou Lagarde.

(Reportagem de Balazs Koranyi)

Deixe seu comentário

Só para assinantes