Conteúdo publicado há 9 meses

J.P. Morgan faz acordo de US$ 75 mi em processo de tráfico sexual envolvendo Epstein

O JPMorgan Chase chegou a um acordo com as Ilhas Virgens Americanas (USVI) e com o ex-executivo Jes Staley para resolver os processos judiciais sobre tráfico sexual envolvendo o financista Jeffrey Epstein, solucionando amplamente um escândalo que pesou sobre o maior banco dos Estados Unidos durante meses.

Os acordos encerram as últimas etapas de um grande litígio em uma saga que envolveu mulheres que disseram que Epstein abusou sexualmente delas e que envolveu algumas das figuras mais poderosas do mundo em finanças e negócios.

O JPMorgan disse que seu acordo de 75 milhões de dólares com as Ilhas Virgens Americanas inclui 30 milhões para apoiar organizações de caridade, 25 milhões para fortalecer a aplicação da lei no combate ao tráfico humano e 20 milhões para honorários advocatícios.

O banco não admitiu responsabilidade ao fechar o acordo.

Os termos de seu acordo com Staley, um ex-amigo de Epstein que foi chefe de private banking do JPMorgan, são confidenciais.

Em junho, o JPMorgan concordou em pagar 290 milhões para resolver as reivindicações de dezenas de acusadores de Epstein.

Epstein foi cliente do JPMorgan de 1998 até 2013, quando o banco encerrou seu relacionamento.

Epstein morreu em agosto de 2019 em uma cela de prisão em Manhattan enquanto aguardava julgamento por tráfico sexual. O médico legista da cidade de Nova York considerou sua morte como um suicídio.

Staley deixou o JPMorgan em 2013 e depois passou seis anos como presidente-executivo do Barclays. O JPMorgan queria que ele cobrisse suas perdas em seus outros dois processos e que perdesse oito anos de salário. Staley expressou arrependimento por sua amizade com Epstein e negou saber sobre o tráfico sexual.

Deixe seu comentário

Só para assinantes