Kashkari, do Fed, diz que economia dos EUA tem 60% de chance de "pouso suave"

Por Ann Saphir

(Reuters) - O presidente do Federal Reserve de Minneapolis, Neel Kashkari, disse nesta terça-feira em um texto que vê como mais provável uma "aterrissagem suave" para a economia dos Estados Unidos, ainda que haja uma probabilidade de 40% de que o Fed precise aumentar as taxas de juros de forma "significativa" para vencer a inflação.

No cenário mais provável -- Kashkari estimou a probabilidade em cerca de 60% -- o Fed "potencialmente" aumentará as taxas em mais 0,25 ponto percentual e, em seguida, manterá os custos dos empréstimos estáveis "por tempo suficiente para trazer a inflação de volta à meta em um período de tempo razoável", disse ele em um ensaio publicado no site do banco regional do Fed.

A inflação, de acordo com a medida preferida do Fed, caiu de 7% no verão passado para 3,3% em julho último, e o desemprego no país aumentou apenas um pouco, chegando a 3,8% na última leitura.

Segundo Kashkari, trata-se de um progresso substancial em relação à inflação e a um mercado de trabalho ainda saudável, disse Kashkari, e no cenário mais provável que ele vê, "o aperto da política que alcançaríamos em breve seria suficiente para concluir o trabalho" e proporcionar "o proverbial pouso suave que esperamos alcançar".

Porém, em uma reviravolta ainda muito possível -- Kashkari coloca a probabilidade em 40% -- a inflação permanece estável, perto de 3%, mas as famílias se sentem confiantes o suficiente em relação à economia para continuar a gastar, mantendo a pressão de alta sobre os preços já elevados pelas restrições de oferta pós-pandemia.

"Quando os fatores de oferta tiverem se recuperado totalmente, a política será suficientemente rígida para concluir o trabalho de trazer a inflação de serviços de volta à meta?" Disse Kashkari, apresentando esse cenário menos provável. "Pode ser que não, e nesse caso teríamos que aumentar a taxa dos fundos federais, potencialmente de forma significativa."

"A boa notícia é que não precisamos tomar essa decisão neste momento", disse Kashkari no ensaio. "Podemos observar o progresso real na redução da inflação ao longo dos próximos meses para determinar qual cenário é o dominante."

(Reportagem de Ann Saphir)

Deixe seu comentário

Só para assinantes