Kashkari, do Fed, vê outro aumento de juros seguido de pausa

Por Ann Saphir

(Reuters) - O presidente do Federal Reserve de Minneapolis, Neel Kashkari, disse na segunda-feira que, dada a surpreendente resiliência da economia dos Estados Unidos, o banco central provavelmente precisará aumentar ainda mais as taxas de empréstimo e mantê-las altas por algum tempo para que a inflação volte a cair para 2%.

"Se a economia for fundamentalmente muito mais forte do que imaginamos, na margem, isso me diria que as taxas provavelmente terão de subir um pouco mais e, em seguida, ser mantidas mais altas por mais tempo para esfriar as coisas", disse ele em um evento na Wharton School of Business, cuja gravação foi disponibilizada no final da segunda-feira.

Na semana passada, o Fed manteve sua taxa básica de juros estável em uma faixa de 5,25% a 5,50%, mas sinalizou que provavelmente ainda não terminou de aumentá-la, com mais um aumento projetado até o final do ano, o que é considerado adequado pela maioria das autoridades de política monetária do Fed.

"Eu sou uma dessas pessoas", disse Kashkari, que é considerado um dos membros mais "hawkish" (agressivo contra a inflação) do Fed.

Os banqueiros centrais dos EUA também indicaram que provavelmente manterão os juros elevados por mais tempo do que se pensava anteriormente, com menos da metade esperando cortá-los para menos de 5% no próximo ano e um indicando que a taxa de juros deve terminar 2024 acima de 6%.

Kashkari disse que, se a inflação esfriar no próximo ano, como esperado, o Fed precisará cortar as taxas para evitar que a política monetária se torne muito rígida. Mas ele também disse que ficou surpreso com a forma como os gastos dos consumidores têm se mantido, apesar dos aumentos das taxas do Fed até o momento.

"Todos no Comitê Federal de Mercado Aberto estão comprometidos" em trazer a inflação de volta à meta de 2% do Fed, disse ele. A inflação, segundo a medida preferida do Fed, estava em 3,3% em julho.

Deixe seu comentário

Só para assinantes