B3 lança índice com empresas do Ibovespa boas pagadoras de dividendos

SÃO PAULO (Reuters) - A B3, empresa de infraestrutura de mercado financeiro, anunciou nesta quinta-feira a criação do primeiro índice derivado do Ibovespa em 55 anos, que incluirá em sua carteira empresas do Ibovespa que se destacam nos pagamentos de dividendos aos acionistas.

O Ibovespa Smart Dividendos terá na sua primeira composição 21 empresas que pagam os maiores valores de dividendos em relação ao preço da ação, e irá vigorar até 29 de dezembro deste ano, quando deve passar por um processo de rebalanceamento, como ocorre com os outros índices acionários, segundo a B3.

"É simbólico termos o primeiro índice derivado do Ibovespa B3 no ano em que ele completa 55 anos", afirmou o gerente de índices da B3, Henio Scheidt, em comunicado.

"Além de dar visibilidade para as empresas que ao mesmo tempo são referências no mercado e são boas pagadoras de dividendos, o Ibovespa Smart Dividendos é mais uma tese de investimento que disponibilizamos ao mercado", acrescentou.

Os critérios para uma empresa ser adicionada incluem, além de pertencer ao Ibovespa, estar entre as 25% maiores pagadoras de dividendos, considerando a média ponderada dos últimos seis anos, dando mais peso para os anos recentes, e a normalização de pagamentos muito acima da média da companhia.

Os critérios de ponderação, ou seja o peso de cada papel no índice, contemplam um "score dividendo" -- maiores pagadores, recorrência e menor oscilação nos proventos pagos -- e um limite máximo de 20% por empresa.

Sob o código IBSD, o Ibovespa Smart Dividendos será lançado na sexta-feira, mas entra nos sistemas tradicionais da B3 na segunda-feira, com cotação em tela calculada a cada 30 segundos.

Os cinco papéis com maior peso no novo índice são Taesa unit, com 5,80%; Telefônica Brasil, com 5,80%; BB Seguridade, com 5,69%; Santander Brasil unit, com 5,54%; e Engie Brasil, com 5,49%.

Ainda estão presentes as ações de Itaúsa, Banco do Brasil, Bradespar, Cemig, Copel, CPFL Energia, CSN, Vale, Gerdau, Vibra Energia, Cyrela, Metalúrgica Gerdau, Cielo, Petrobras, CSN Mineração e Marfrig.

Continua após a publicidade

De acordo com a B3, caso existisse desde 2013, o Ibovespa Smart Dividendos teria acumulado alta de 142% até o final de agosto. No mesmo período, o Ibovespa subiu 87%.

Em paralelo, a B3 anunciou uma parceria com a Nu Asset Management, da Nu Holdings, para a criação do fundo de índice negociado em bolsa de valores (ETF, na sigla em inglês) Nu Renda Ibov Smart Dividendos, que replica o novo índice da B3 e tem pagamento mensal de dividendos aos cotistas.

A gestora também anunciou nesta quinta-feira o ETF Nu Ibov Smart Dividendos, com a diferença de que os dividendos são reinvestidos no próprio ETF. Ambos também serão lançados na sexta-feira.

Andrés Kikuchi, diretor executivo da Nu Asset Management, disse a jornalistas nesta quinta-feira que o mercado de ETF no Brasil, quando comparado ao resto do mundo, apresenta um crescimento grande, mas com um potencial de ser muito maior. "Queremos ser protagonistas desse mercado", afirmou.

(Por Paula Arend Laier)

Deixe seu comentário

Só para assinantes