Começa nos EUA julgamento da Tesla sobre morte envolvendo piloto automático

Por Dan Levine e Hyunjoo Jin

SAN FRANCISCO (Reuters) - As declarações de abertura do primeiro julgamento nos Estados Unidos sobre alegações de que o recurso de piloto automático do assistente de motorista da Tesla levou a uma morte estão marcadas para começar nesta quinta-feira, com o desfecho do processo podendo ajudar a moldar casos semelhantes em todo o país. 

O julgamento, em um tribunal estadual da Califórnia, decorre de uma ação civil que alega que o sistema de piloto automático fez com que o carro Model 3 do proprietário Micah Lee desviasse repentinamente de uma rodovia a leste de Los Angeles a 105 quilômetros por hora, colidisse com uma palmeira e pegasse fogo, tudo no espaço de segundos.

O acidente de 2019 matou Lee e feriu gravemente seus dois passageiros, incluindo um menino de 8 anos, de acordo com documentos do processo. A ação, movida contra a Tesla pelos passageiros e pelo espólio de Lee, acusa a Tesla de saber que o piloto automático e outros sistemas de segurança estavam com defeito quando vendeu o carro.

A Tesla negou ser responsável, dizendo que Lee consumiu álcool antes de sentar ao volante. A fabricante de veículos elétricos também afirma que não estava claro se o piloto automático estava ativado no momento do acidente.

A Tesla vem testando e lançando seu piloto automático e o sistema Full Self-Driving (FSD) mais avançado, que o presidente-executivo, Elon Musk, considerou crucial para o futuro de sua empresa, mas que atraiu escrutínio regulatório e legal.

A Tesla venceu um julgamento em Los Angeles em abril com a estratégia de dizer que informa aos motoristas que sua tecnologia requer monitoramento humano, apesar do nome “Piloto Automático”. Um Modelo S desviou em um meio-fio em 2019 e feriu seu motorista, e os jurados disseram à Reuters após o veredicto que acreditavam que a Tesla alertou os motoristas sobre seu sistema e que a culpa era da distração do motorista.

Os riscos são maiores no julgamento desta semana, e em outros casos, porque pessoas morreram. A Tesla e os advogados dos reclamantes discutiram sobre quais evidências e argumentos cada lado poderia apresentar.

A Tesla, por exemplo, venceu uma disputa para excluir algumas das declarações públicas de Musk sobre o Autopilot. No entanto, os advogados das vítimas do acidente podem argumentar que o teor de álcool no sangue de Lee estava abaixo do limite legal, de acordo com documentos judiciais.

Continua após a publicidade

O julgamento, no Tribunal Superior do Condado de Riverside, irá durar algumas semanas.

(Reportagem de Dan Levine em San Francisco)

Deixe seu comentário

Só para assinantes