Carnival melhora previsão anual, mas custos com combustível ofuscam bom momento para cruzeiros

Por Juveria Tabassum

(Reuters) - A operadora de cruzeiro Carnival reduziu sua previsão de prejuízo para o ano e lucrou no terceiro trimestre com bilhetes mais caros e demanda robusta, mas preocupações relacionadas aos altos preços dos combustíveis faziam com que suas ações caíssem 7% nesta sexta-feira.

As concorrentes Norwegian Cruise Lines e Royal Caribe também conseguiram elevar os preços dos bilhetes e ainda assim permanecer mais baratas do que hotéis, atraindo um público mais jovem que procura gastar em experiências em vez de compras de alto valor discricionário.

"O medo em torno da inflação, da redução das poupanças dos consumidores, dos pagamentos de empréstimos estudantis e de outros problemas de gastos têm pressionado as ações recentemente, mas devem se provar transitórios", disse Jaime Katz, analista de pesquisa da Morningstar, em nota.

"Todos os sinais indicam que os cruzeiros estão atraindo os consumidores."

A Carnival registrou lucro de 1,07 bilhão de dólares no terceiro trimestre, ante prejuízo de 770 milhões de dólares um ano antes.

Ofuscando suas perspectivas anuais, no entanto, a empresa prevê perda maior que o esperado para o quarto trimestre.

A operadora de cruzeiros disse ainda que enfrentará um impacto líquido de 130 milhões de dólares devido aos preços mais elevados dos combustíveis e às taxas de câmbio desfavoráveis.

Ao contrário de outras grandes operadoras de cruzeiros, a Carnival não se protege contra a volatilidade dos preços do petróleo.

Continua após a publicidade

Um porta-voz da empresa disse que a Carnival está investindo em novas tecnologias de economia de energia e otimizando itinerários a fim de reduzir o consumo de combustível.

As operadoras de cruzeiros têm se beneficiado da demanda reprimida por viagens após a pandemia e dos viajantes em busca de melhores ofertas para as férias. Os preços dos cruzeiros estão agora 35% a 40% mais baratos do que os dos hotéis de lazer, disse Alex Brignall, analista da Redburn Atlantic.

(Reportagem de Juveria Tabassum)

Deixe seu comentário

Só para assinantes