Investidores temem interrupção de dados dos EUA devido à iminente paralisação do governo

Por Laura Matthews

NOVA YORK (Reuters) - Atrasos nas divulgações de dados econômicos vitais poderão desencadear volatilidade no mercado financeiro se a paralisação do governo dos Estados Unidos for levada adiante neste fim de semana e se arrastar por semanas, fazendo com que os investidores usem fontes de dados alternativas para determinar a trajetória da economia.

Washington está a dias de sua quarta paralisação parcial do governo dos EUA em uma década se os parlamentares não chegarem a um acordo sobre os níveis de financiamento para o ano fiscal completo que começa em 1º de outubro.

Uma paralisação interromperia os serviços do governo, inclusive a publicação dos principais dados econômicos dos EUA, como os relatórios de emprego e inflação, que são muito observados e podem movimentar os mercados de ações e títulos em todo o mundo.

"Se as divulgações de dados do governo forem suspensas, isso aumentará a volatilidade e diminuirá a visibilidade, em um momento em que a previsão já é difícil", disse Clifton Hill, gerente de portfólio macro global da Acadian Asset Management.

"Os mercados estarão 'voando ainda mais às cegas' e isso aumentará a incerteza quanto às decisões sobre as taxas do Federal Reserve nos próximos três a seis meses."

Hill disse que os investidores teriam de fazer suposições com base em pesquisas e dados econômicos não governamentais.

Os principais dados governamentais a serem divulgados nas próximas duas semanas incluem pedidos de auxílio-desemprego, taxa de desemprego e inflação, que influenciam a política monetária.

"Os mercados podem se tornar voláteis se os investidores e as autoridades de política monetária não conseguirem obter atualizações de dados em tempo hábil, como o relatório sobre emprego e desemprego, especialmente durante este estágio do ciclo", disse Jeffrey Roach, economista-chefe da LPL Financial.

Continua após a publicidade

Uma paralisação pode atrasar o relatório de criação de empregos não agrícolas do governo, agendado para 6 de outubro, e outras publicações importantes, acrescentou Roach, o que poderia fazer com que o Federal Reserve fosse "mais paciente e cauteloso ao avaliar a economia".

James Knightley, economista-chefe internacional do ING, disse que uma paralisação seria economicamente perturbadora e restringiria o fluxo de dados que o banco central precisaria para justificar novos aumentos nas taxas de juros, fortalecendo o argumento para que o Fed mantenha os custos dos empréstimos estáveis em novembro.

Peter Vassallo, gerente de portfólio de câmbio do BNP Asset Management, disse que os atrasos nos dados econômicos "infelizmente são apenas algo com que temos que lidar à medida que surgem".

TEMORES DE IMPACTO ECONÔMICO

Chris Murphy, codiretor de estratégia de derivativos do Susquehanna International Group, disse que o mercado de ações já precificou totalmente uma paralisação do governo, mas a questão continua sendo quanto tempo ela pode durar.

Uma análise recente do Goldman Sachs mostrou que, a nível macro, as paralisações do governo tiveram um impacto mínimo sobre o Produto Interno Bruto e a economia normalmente se recupera rapidamente após a reabertura.

Continua após a publicidade

"Se a paralisação durar muitas semanas, o mercado começará a se preocupar com o... possível impacto no crescimento com taxas tão altas", disse Hill, da Acadian.

A agência de classificação de risco Moody's alertou na segunda-feira que uma paralisação poderia prejudicar a nota de crédito dos EUA, um aviso severo que veio um mês depois que a Fitch rebaixou os EUA em um degrau devido à crise do teto da dívida.

Alguns investidores dizem que essa possível paralisação pode ser mais impactante do que as anteriores, apontando para uma confluência de eventos, como o recente rebaixamento do crédito dos EUA, o aumento das taxas de juros, a greve da United Auto Workers e a retomada dos pagamentos de empréstimos estudantis.

Deixe seu comentário

Só para assinantes