Petróleo cai 2% para mínima de 3 semanas com dólar forte e realização de lucros

Por Scott DiSavino

NOVA YORK (Reuters) - Os preços do petróleo caíram cerca de 2% nesta segunda-feira, para uma mínima de três semanas, com fortalecimento do dólar e realização de lucros de investidores, preocupados com o aumento da oferta de petróleo e com a pressão sobre a demanda com altas taxas de juros.

Em seu primeiro dia como primeiro mês, o contrato do Brent para entrega em dezembro caiu 1,49 dólar, ou 1,6%, a 90,71 dólares por barril, valor cerca de 5% abaixo do fechamento do contrato de novembro que expirou na sexta-feira. Essa foi a maior queda percentual diária do primeiro mês do Brent desde o início de maio.

O petróleo bruto West Texas Intermediate (WTI) dos EUA caiu 1,97 dólar, ou 2,2%, para 88,82 dólares por barril.

Analistas disseram que alguns operadores realizaram lucros depois que os preços do petróleo subiram quase 30% para máximas de 10 meses no terceiro trimestre.

Antes da retração do preço do petróleo que começou em 28 de setembro, os especuladores dos EUA aumentaram as suas posições líquidas compradas e opções na bolsa de Nova York para o nível mais alto desde maio de 2022, de acordo com a Comissão de Negociação de Futuros de Commodities dos EUA.

É "altamente provável que a realização de lucros por parte dos especuladores esteja atualmente desempenhando um papel (no recente declínio dos preços) e deixe de pesar sobre os mercados à medida que os dias passam", afirmaram numa nota analistas da empresa de consultoria energética Gelber and Associates.

Nesta segunda-feira, o dólar subiu para uma máxima de 10 meses ante uma cesta de outras moedas, depois de o governo dos EUA ter evitado uma paralisação parcial e os dados econômicos terem alimentado as expectativas de que o Federal Reserve dos EUA manterá as taxas mais elevadas por mais tempo, o que poderá abrandar o crescimento econômico.

Taxas de juro mais elevadas, juntamente com um dólar mais forte, que torna o petróleo mais caro para os detentores de outras moedas, poderão prejudicar a demanda por petróleo.

Continua após a publicidade

(Reportagem de Scott DiSavino em Nova York, Paul Carsten em Londres, Yuka Obayashi em Tóquio e Emily Chow)

Deixe seu comentário

Só para assinantes