Juros elevados reduzirão PIB dos EUA em 0,5% e provocarão perda de empregos, diz Goldman Sachs

Por David Randall

NOVA YORK (Reuters) - Taxas de juros mais elevadas por um período prolongado provavelmente reduzirão em 0,5% o crescimento econômico dos Estados Unidos e podem forçar empresas abertas não lucrativas a começarem a reduzir sua força de trabalho, escreveram estrategistas do Goldman Sachs em nota no domingo.

Os títulos de curto prazo têm oscilado perto de máximas em 17 anos, à medida que o crescimento dos empregos nos EUA continua a sugerir força na economia. A resiliência do mercado de trabalho e dos gastos do consumidor diante do ciclo de aumento agressivo das taxas de juros pelo Federal Reserve provavelmente significa que a taxa neutra -- o nível no qual as taxas de juros começam a pesar sobre a economia -- é mais alta do que na última fase, observou a empresa.

Como resultado, a taxa de referência atual do Fed não está alta o suficiente para causar uma recessão, tornando menos provável que o banco central sinta a necessidade de cortar as taxas de juros, escreveram os analistas do Goldman Sachs.

"Os mercados se tornaram menos confiantes de que a queda na inflação será suficiente para provocar cortes em breve", escreveu o banco, acrescentando que um período prolongado de taxas elevadas pesará muito sobre cerca de 50% das empresas de capital aberto que não eram lucrativas em 2022.

Uma onda de empresas cortando custos por meio da redução de gastos ou da diminuição do número de funcionários poderia criar um impacto negativo na taxa de crescimento de empregos em 20.000 por mês e reduzir 0,2% do PIB, estimou o Goldman Sachs.

Taxas mais altas provavelmente também elevarão a relação dívida/PIB dos EUA de 96% para 123% na próxima década, disse a empresa. No entanto, a companhia não vê os níveis crescentes de dívida gerando um acordo fiscal em Washington a curto prazo.

"Acreditamos que é improvável que a preocupação com a sustentabilidade da dívida leve a um acordo de redução do déficit em breve devido ao impasse no Congresso, à falta de atenção política para a redução do déficit e às próximas eleições de 2024", escreveu.

"E com nenhum dos prováveis candidatos à Presidência focados na redução do déficit, não está claro o quanto mudará após a eleição."

Deixe seu comentário

Só para assinantes