Consumidores da zona do euro veem inflação ligeiramente acima da meta do BCE por 3 anos

FRANKFURT (Reuters) - As famílias da zona do euro acreditam que a inflação ficará um pouco acima da meta de 2% do Banco Central Europeu (BCE) por mais três anos, segundo uma pesquisa da autoridade monetária, enquanto os responsáveis pela fixação dos juros lutam para convencer o público de que seus planos para controlar as pressões sobre os preços estão no caminho certo.

Embora as expectativas dos consumidores em relação à inflação sejam imprecisas por natureza, elas podem influenciar as demandas salariais, os gastos e a poupança.

Elas também são um dado importante para avaliar se o público acredita que o BCE atingirá sua meta de inflação, em meio a um debate global sobre se essas metas devem ser elevadas.

A Pesquisa de Expectativa do Consumidor do BCE, realizada em agosto e divulgada nesta quarta-feira, mostrou que a mediana dos entrevistados acha que a inflação será de 2,5% em três anos, acima dos 2,4% da pesquisa anterior, realizada cerca de um mês antes.

As opiniões dos consumidores sobre a inflação nos próximos 12 meses mostraram um ligeiro aumento para 3,5%, de 3,4% em julho.

O BCE afirmou que as expectativas de inflação de longo prazo dos economistas, investidores e consumidores estão "em torno de 2%", mas alertou que algumas projeções aumentaram e devem ser monitoradas.

O banco central dos 20 países que usam o euro elevou a taxa que paga sobre os depósitos bancários para um recorde de 4,0% no mês passado, como parte de sua tentativa de reduzir a inflação, que atingiu brevemente dois dígitos há um ano em meio aos altos custos de energia e ao aumento da demanda pós-pandemia, enquanto as cadeias de ofertas ainda estavam interrompidas.

O BCE agora espera que os preços aumentem 5,6% neste ano, 3,2% em 2024 e 2,1% em 2025.

(Por Francesco Canepa)

Deixe seu comentário

Só para assinantes