Dólar reduz alta em linha com exterior, mas segue em campo positivo antes de Powell

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar devolveu parte dos ganhos iniciais frente ao real nesta quinta-feira, em linha com o arrefecimento dos rendimentos dos títulos norte-americanos, mas continuava em terreno positivo em meio a expectativas por fala do chair do Federal Reserve, Jerome Powell, e com persistência dos riscos geopolíticos.

Às 10:08 (horário de Brasília), o dólar à vista avançava 0,24%, a 5,0664 reais na venda, perdendo fôlego em relação aos fortes ganhos registrados logo após a abertura, em movimento que participantes do mercado atribuíram à reversão do salto dos rendimentos dos Treasuries.

Na B3, o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento subia 0,11%, a 5,0755 reais.

O índice que compara o dólar a uma cesta de pares fortes passou a cair 0,15%, mesmo após dados mostrarem que os pedidos de auxílio-desemprego nos EUA caíram inesperadamente na semana passada, sugerindo mais um mês de forte crescimento do emprego.

O movimento acompanhou esfriamento na alta dos rendimentos dos Treasuries de dez anos, que se afastavam de máximas em 16 anos atingidas mais cedo na sessão, em meio à possibilidade de que o Fed mantenha os juros altos por mais tempo diante da resiliência da economia dos EUA.

Ainda assim, o grande foco do dia continuava sendo uma série de falas de dirigentes do Fed, especialmente do chair Jerome Powell, disse Guilherme Esquelbek, analista da Correparti Corretora.

Powell participará de uma discussão sobre as perspectivas econômicas no Clube Econômico de Nova York às 13h (de Brasília), alguns dias antes do início do tradicional período de silêncio que antecede a reunião do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês), de 31 de outubro a 1º de novembro.

Além disso, o pregão mostrava "mais um dia de aversão a risco com os desdobramentos da crise no Oriente Médio", avaliou Esquelbek, citando ainda preocupações com o setor imobiliário da China.

Continua após a publicidade

As tensões geopolíticas têm aumentado desde que um ataque a hospital em Gaza matou centenas de pessoas --tragédia que as autoridades palestinas atribuíram a Israel e que os israelenses atribuíram a terroristas islâmicos.

Protestos anti-Israel foram vistos em vários países árabes, enquanto os Estados Unidos tomaram partido de Israel, endossando sua versão sobre o ataque ao hospital e vetando resolução apresentada pelo Brasil ao Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) que solicitava pausas humanitárias no conflito.

Na véspera, o dólar à vista fechou o dia cotado a 5,0544 reais na venda, em alta de 0,38%.

Deixe seu comentário

Só para assinantes