Nova emissão de títulos da China ajudará na recuperação econômica, diz autoridade, enquanto déficit orçamentário aumenta

PEQUIM (Reuters) - Os novos títulos soberanos da China ajudarão a impulsionar a recuperação econômica, disse o vice-ministro das finanças da China, Zhu Zhongming, nesta quarta-feira, à medida que o estímulo fiscal intensificado do governo aumenta drasticamente seu déficit orçamentário.

O principal órgão parlamentar da China aprovou a emissão de 1 trilhão de iuanes (137 bilhões de dólares) em títulos soberanos para ajudar a reconstruir as áreas atingidas pelas enchentes deste ano e melhorar a infraestrutura urbana para enfrentar futuros desastres, informou a mídia estatal na terça-feira.

"Depois que os fundos dos títulos do tesouro forem colocados em uso, eles ajudarão a impulsionar a demanda interna e a consolidar ainda mais a recuperação da economia", disse Zhu em uma coletiva de imprensa.

A segunda maior economia do mundo cresceu mais rápido do que o esperado no terceiro trimestre, aumentando as chances de Pequim atingir sua meta de crescimento de cerca de 5% para 2023. No entanto, os economistas afirmam que o setor imobiliário, atingido pela crise, continua sendo um entrave para a economia e continua a obscurecer as perspectivas de crescimento.

Em uma medida rara, a China elevou drasticamente seu déficit orçamentário de 2023 para cerca de 3,8% do Produto Interno Bruto, em comparação com os 3% originalmente estabelecidos, devido ao aumento da dívida do governo central, de acordo com a mídia estatal.

O aumento proposto na emissão de títulos ocorre no momento em que Pequim se prepara para injetar uma nova dose de estímulo fiscal para sustentar a recuperação econômica, dizem especialistas, mas há temores de que a reversão para um estímulo financiado por dívidas prejudicaria a mudança para um modelo de crescimento econômico liderado pelo consumidor.

Alguns analistas minimizaram o impacto econômico positivo de curto prazo da nova emissão de dívida.

"Acreditamos que o impacto econômico desse 1 trilhão de iuanes em (títulos do governo chinês) adicionais não deve ser exagerado, especialmente no curto prazo", disse Ting Lu, economista-chefe para a China da Nomura, em nota.

"É provável que os efeitos multiplicadores fiscais dos gastos com projetos de conservação de água sejam bastante limitados."

Continua após a publicidade

A China definirá razoavelmente o ritmo do seguro de títulos e combinará a emissão com gastos, disse o vice-ministro Zhu, acrescentando que as autoridades tomarão medidas para evitar o uso indevido dos fundos de títulos.

O nível de endividamento do governo ainda está dentro de uma faixa razoável, disse o ministro, sem dar detalhes.

(Por Ellen Zhang e Kevin Yao)

Deixe seu comentário

Só para assinantes