Fed avalia ajuste de regra que pode gerar economia de bilhões em capital para maiores bancos dos EUA, dizem fontes

Por Pete Schroeder

WASHINGTON (Reuters) - O Federal Reserve está considerando uma mudança de regra que poderia economizar bilhões de dólares em capital para os oito maiores bancos do país, em uma possível vitória há muito tempo buscada pelo setor, de acordo com quatro pessoas com conhecimento do assunto.

Em questão está como o banco central calcula uma camada extra de capital que impõe aos bancos de importância sistêmica global (GSIBs) dos EUA, conhecida como "sobretaxa GSIB", que foi introduzida em 2015 para aumentar sua segurança e solidez.

O Fed está avaliando a possibilidade de atualizar os dados que utiliza no cálculo, que foi fixado em 2015, para ajustar ao crescimento econômico e, por sua vez, refletir com mais precisão o tamanho dos bancos em relação à economia global, disseram as fontes.

A atualização desses dados ou "coeficientes" reduziria as pontuações sistêmicas dos bancos e a sobretaxa de capital resultante, disseram as pessoas, que não quiseram ser identificadas, ao discutir questões regulatórias privadas.

As deliberações do Fed, que a Reuters está relatando pela primeira vez, estão em andamento e nenhuma decisão foi tomada, segundo as fontes.

No entanto, a disposição do banco central de analisar a questão é um grande progresso para a campanha de anos dos GSIBs para reduzir a sobretaxa, que havia ganhado pouca força até recentemente. Isso também mostra como uma luta mais ampla em relação às regras de capital está criando novas oportunidades para que os bancos pressionem por outras concessões regulatórias há muito procuradas.

As possíveis economias de capital para os oito bancos, que incluem JPMorgan, Citigroup e Bank of America, dependeriam de vários fatores, inclusive de seus modelos de negócios.

Juntos, os GSIBs dos EUA mantinham cerca de 230 bilhões de dólares de capital em razão da sobretaxa no primeiro trimestre de 2024, de acordo com dados do Fed, sugerindo que mesmo uma pequena mudança poderia resultar em economias significativas para alguns dos bancos.

Continua após a publicidade

Uma sobretaxa de 0,5%, por exemplo, equivale a mais de 8 bilhões de dólares cada para JPMorgan e Bank of America, de acordo com um cálculo da Reuters. Esse é o dinheiro que os bancos dizem que poderiam devolver à economia por meio de empréstimos.

Porta-vozes dos GSIBs, que também incluem Wells Fargo, Goldman Sachs, Morgan Stanley, BNY Mellon e State Street, não quiseram comentar ou não responderam imediatamente aos pedidos de comentários.

Introduzida como resultado da crise financeira global de 2009, a sobretaxa visa aumentar a resistência dos GSIBs, dada a ameaça que representam para a estabilidade financeira.

Ao adotar a regra, o Fed disse que estava fixando os coeficientes, que se relacionam com tamanho, interconexão, complexidade e atividade internacional de um banco, usando dados de 2012-2013.

O banco central disse que essa abordagem melhoraria a previsibilidade das pontuações e facilitaria o planejamento dos bancos, mas que revisaria periodicamente a estrutura.

Os GSIBs dizem que essa revisão já deveria ter sido feita há muito tempo. Como os bancos tendem a crescer de acordo com a economia, o uso de uma metodologia desatualizada faz com que eles pareçam maiores em relação à economia global do que realmente são, argumentam.

Continua após a publicidade

"Os GSIBs dos EUA estão mantendo mais de 59 bilhões de dólares em reservas de capital GSIB atribuíveis exclusivamente ao crescimento econômico geral", escreveu o JPMorgan em uma carta pública ao Fed em janeiro.

O Fed está considerando a possibilidade de atualizar os coeficientes para levar em conta o crescimento econômico global nos últimos anos, disseram as fontes, embora a Reuters não tenha conseguido determinar com precisão como isso poderia ser feito.

(Reportagem adicional de Paritosh Bansal, Saeed Azhar, Tatiana Bautzer e Nupur Anand em Nova York)

Deixe seu comentário

Só para assinantes