Grupo VW corta previsão de retornos com possível fechamento de fábrica da Audi em Bruxelas e outras despesas

BERLIM (Reuters) - O Grupo Volkswagen reduziu nesta terça-feira sua previsão de retornos operacionais para 6,5% a 7%, de 7% a 7,5%, ao anunciar que a marca Audi estava considerando fechar sua unidade em Bruxelas devido à baixa demanda pelos carros elétricos de última geração que produz.

O Grupo Volkswagen, controlador da Audi, disse que as despesas vinculadas à decisão, juntamente com outros gastos inesperados no segundo trimestre, teriam um impacto total de até 2,6 bilhões de euros no exercício financeiro de 2024.

A demanda pelo Q8 e-tron da Audi, lançado em 2018, caiu drasticamente e a montadora estava considerando encerrar totalmente sua produção.

As instalações de Bruxelas também enfrentavam “desafios estruturais de longa data”, incluindo dificuldade em alterar o seu layout devido à proximidade da cidade e aos elevados custos logísticos.

Um processo de consulta começará agora para encontrar soluções alternativas para a planta. “Isso pode incluir a cessação das operações se nenhuma alternativa for encontrada”, disse o comunicado da Audi.

Outras despesas não planejadas que pesaram sobre o Grupo Volkswagen incluíram perdas cambiais devido ao desagrupamento do Volkswagen Bank Rus na sua divisão de serviços financeiros e o encerramento planejado do negócio de turbinas a gás da subsidiária MAN Energy Solutions.

(Reportagem de Victoria Waldersee)

Deixe seu comentário

Só para assinantes