Bolsas

Câmbio

Perspectiva de vitória de Hillary anima mercados; Ibovespa sobe 3%

Os mercados financeiros nacionais vivem um dia positivo, no embalo das bolsas estrangeiras. A expectativa de vitória de Hillary Clinton na eleição presidencial americana leva otimismo aos mercados globais.

Bolsa

O Ibovespa opera em forte alta hoje, em linha com as bolsas da Europa e dos Estados Unidos. O índice ganhava 3,05% às 12h21, para 63.477 pontos.

Ações que lideraram a correção da semana passada sobem. Usiminas PNA lidera, com 6,9%, seguida por Gerdau Metalúrgica PN (6,59%), Petrobras PN (6,25%), Petrobras ON (5,31%), Bradespar PN (5,02%), Gerdau PN (4,9%), CSN ON (4,87%), Vale PNA (4,68%) e Vale ON (4,44%).

As bolsas sobem globalmente com notícias vindas dos EUA. Após carta endereçada ao Congresso no último dia 28 de outubro, "reabrindo" as investigações dos e-mails de Hillary Clinton, o FBI afirmou ontem, também via carta, que nada que pudesse incriminar a atual candidata à presidência foi encontrado. Chegou, portanto, à conclusão que já havia chegado em julho deste ano.

Eduardo Velho, economista-chefe da A2A INVX Global, acredita que o Ibovespa pode superar os 65 mil pontos até o final do ano, caso Hillary Clinton vença as eleições para a Presidência dos Estados Unidos. Segundo ele, a tendência do mercado será de alta, mas não muito forte, já que o Ibovespa acumula fortes ganhos no ano e já precificou uma parte da vitória dela.

Caso Donald Trump vença, as chances são de forte queda da Bovespa, já que hoje o Ibovespa sobe com força. A alta de hoje é um retorno à reprecificação da aposta na vitória de Hillary, já que na sexta-feira houve queda forte, com temores de avanço de Trump.

Dólar

O dólar registra a maior queda em duas semanas frente ao real nesta segunda-feira. Às 13h18, o dólar comercial caía 1,21%, a R$ 3,1923. Na mínima, foi a R$ 3,1877, maior queda intradiária desde 24 de outubro (-1,34%).

No mercado futuro, o dólar para dezembro recuava 1,35%, a R$ 3,215.

O dólar intensificava as perdas também contra outras moedas emergentes, especialmente o peso mexicano, que tinha alta de 1,9%, em meio à previsão de que Donald Trump não vencerá as eleições de amanhã.

Juros

Os juros futuros de longo prazo têm nesta segunda-feira a maior baixa em um mês, refletindo a queda global dos prêmios de risco.

Às 13h, o DI janeiro de 2025 cedia a 11,390% ao ano, mínima do dia, frente a 11,540% no ajuste anterior. O piso de hoje está 18 pontos-base abaixo do fechamento de sexta-feira, na maior queda intradia desde 5 de outubro (-19 pontos).

O DI janeiro de 2021 caía a 11,24%, perto da mínima do dia (11,240%), ante 11,380% do ajuste anterior. A queda de 15 pontos-base da mínima em relação ao fechamento anterior é a maior também desde 5 de outubro (-17 pontos).

O DI janeiro de 2019 cedia a 11,45%, contra 11,540% no último ajuste.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos