Bolsas

Câmbio

Dólar e juros futuros sobem, com maior incerteza política

O dólar sobe ante o real na manhã de segunda-feira, enquanto os juros longos avançam, repercutindo a maior instabilidade política após figuras centrais do governo de Michel Temer, inclusive o próprio presidente, terem sido citadas em acordo de delação premiada de executivo da Odebrecht.

O real é a moeda com segundo pior desempenho nesta sessão, atrás apenas da lira turca.

Temer foi citado 43 vezes no documento de acordo de delação premiada de Cláudio Melo Filho, ex-vice-presidente de Relações Institucionais da Odebrecht. Outras figuras centrais do governo também foram citadas: o nome de Eliseu Padilha, ministro da Casa Civil, foi mencionado 45 vezes; e o de Moreira Franco, secretário de Parceria e Investimentos do governo Temer, 34 vezes.

O que o mercado receia é que o clima de incerteza acabe corroendo a base aliada de Temer no Congresso, o que poderia ter efeitos diretos sobre o encaminhamento de medidas fiscais na Câmara e no Senado. O mercado considera a aprovação das medidas essencial para a retomada da confiança e do investimento, primeiro passo para a recuperação da economia.

Às 9h34, o dólar comercial subia 0,74%, a R$ 3,3966. Na máxima, foi a R$ 3,4079, em alta de 1,07%.

O dólar para janeiro tinha alta de 0,49%, a R$ 3,4170.

Nos juros, o DI janeiro de 2025 chegou a subir 19 pontos-base sobre a taxa de fechamento da sessão anterior, para 12,310% ao ano. Neste momento, avança a 12,250%, contra 12,100% no ajuste anterior.

O DI janeiro de 2021 ia a 11,880%, ante 11,770% no ajuste anterior e máxima de 11,970%.

O DI janeiro de 2018 tinha taxa de 11,860%, contra 11,870% no ajuste anterior.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos