Bolsas

Câmbio

Bolsas de NY fecham sem direção única; Nasdaq e S&P 500 vão às máximas

O dia em Wall Street começou imerso em polêmica, mas terminou dividido entre a cautela e o otimismo com a temporada de balanços e o petróleo. A demissão do diretor do FBI, James Comey, pelo presidente dos EUA, Donald Trump, na noite de terça-feira, elevou a percepção de risco político entre os investidores.


Ao longo da sessão, porém, as preocupações se arrefeceram, conforme os investidores passaram a focar mais nos fundamentos e na temporada de resultados no primeiro trimestre.


Após ajustes, o Dow Jones fechou em queda de 0,16%, a 20.943,11 pontos. O S&P 500 avançou 0,11%, a 2.399,63 pontos, batendo o recorde da segunda-feira por apenas 0,25 ponto. O Nasdaq subiu 0,14%, a 6.129,14 pontos e obteve a 31ª máxima histórica do ano.


A subida de mais de 3% do petróleo ajudou a fornecer sustentação ao S&P 500. O setor de energia liderou com folga os ganhos do índice com subida de 1,41%, seguido dos papéis imobiliários, com avanço de 0,59%. Oito dos 11 setores terminaram a sessão no positivo.


Os balanços de empresas de tecnologia continuaram a segurar o índice Nasdaq nas máximas. Nesta quarta-feira, algumas ações do indicador brilharam, como a fabricante de placas de vídeo Nvidia, que saltou 17,83%, e a empresa de games Eletronic Arts, com ganho de 12,65%.


Já o Dow Jones também sentiu o impacto de um resultado trimestral, o da Disney. Porém, os números abaixo do estimado levaram a companhia de mídia e entretenimento a uma queda de 2,25%. Esse peso considerável ajudou a segurar o índice de "blue chips" americanas no negativo.


Os ganhos no Dow Jones foram liderados por Chevron, Merck e Carterpillar, que subiram 1,35% e um duplo 1,01%.


Os investidores têm fortes motivos para manter o foco nos resultados das companhias na atual temporada de balanços. De acordo com dados da FectSet, três quartos dos 83% dos componentes do S&P 500 que reportaram os números trimestrais até a sexta-feira passada tinham superado as expectativas de lucros. Além disso, 66% desse grupo ultrapassaram as projeções de vendas.


Segundo analistas, a reação dos mercados à demissão de Comey, que liderava as investigações sobre as ligações da campanha de Trump com a Rússia, esvaneceu-se diante da avaliação de que a reforma tributária não seria afetada pelo evento.


O presidente americano citou a atuação falha de Comey durante as investigações sobre a conta pessoal de e-mail da então candidata Hillary Clinton como motivo para a demissão. No entanto, a saída do ex-chefe do FBI tem gerado receios em relação à liberdade do órgão para investigar as ligações entre Trump e a Rússia.


Os ativos de proteção ensaiaram um rali no início do dia, mas terminaram a sessão perto da estabilidade. O ouro subiu 0,2% e os yields (retorno ao investidor) dos Treasuries - títulos do Tesouro americano - avançaram levemente.


O discurso do presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, na manhã desta quarta-feira, também teve impacto limitado sobre os mercados acionários. O comandante da autoridade europeia reconheceu o melhor momento da economia do bloco, mas assegurou novamente que vai manter o rumo atual da política monetária e do programa de compras de ativos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos