Bolsas

Câmbio

Manifestantes pró-Lula param ruas de Curitiba; segurança é reforçada

(Atualizada às 11h34) Manifestantes solidários a Luiz Inácio Lula da Silva parou ruas de Curitiba na manhã desta quarta-feira, horas antes de o ex-presidente ser interrogado pelo juiz Sergio Moro, da Lava-Jato. A audiência está marcada para as 14 horas.


Com bandeiras da CUT e MST e camisetas com o rosto de Lula, os militantes deixaram o acampamento na rodoferroviária rumo à praça Santos Andrade, na região central de Curitiba.


Não há policiais acompanhando os manifestantes, que caminham em clima pacífico. Três policiais que pararam um cruzamento de trânsito foram aplaudidos pelas pessoas que estão participando da caminhada.


Entre as palavras de ordem estão críticas a Moro, gritos de "Fora, Temer" e elogios a Lula, com o "olê, olé, olá, Lula, Lula", "Lula é meu amigo, mexeu com ele, mexeu comigo", e "Lula vai voltar".


Integrante do sindicato dos ferroviários e vestido com uma camisa vermelha da CUT, Edno Araujo veio de São Paulo de ônibus e chegou na madrugada. "Vim dar um apoio moral a Lula. Ele não está sozinho e estaremos sempre com ele, inclusive no ano que vem, votando nele", disse. "Confio nele."Entre as ruas que estão ocupadas por manifestantes estão a Avenida Presidente Affonso Camargo, rua Mariano Torres e rua João Negrão.


O depoimento de Lula a Moro é aguardado com ansiedade por militantes na cidade. Dezenas de ônibus com apoiadores do ex-presidente chegaram entre a noite de ontem e o início da manhã desta quarta-feira.


A Frente Brasil Popular, organizadora do acampamento dos simpatizantes do ex-presidente, ainda não tem um balanço do número de ônibus nem de militantes que chegaram, mas afirma que a expectativa é que cerca de 50 mil pessoas participem dos atos em solidariedade ao petista.Na tarde de ontem, a Secretaria de Segurança Pública do Estado disse que cerca de cem ônibus com militantes chegaram à cidade.


Desde a noite de terça-feira, o prédio da Justiça Federal em Curitiba, onde o ex-presidente será interrogado, está cercado por grades e tem acesso restrito.As ruas próximas ao prédio estão bloqueadas com cones e grades e só podem circular moradores e comerciantes que trabalham na vizinhança do prédio.


Dezenas de policiais estão em frente ao prédio da Justiça Federal e nas esquinas da região do bairro Ahú. Em alguns postes do bairro, estão expostas bandeiras do Brasil e faixas verde e amarela.


Moradora do bairro Ahú, a psicóloga Maria José Garcia, com 50 anos, se queixou do esquema de segurança armado pelo governo estadual, comandado por Beto Richa (PSDB). "É um pouco de exagero tudo isso", afirmou. Maria José disse apoiar o juiz Moro e afirmou que o depoimento de Lula, réu em ação penal, é natural. "Faz parte do processo. É como qualquer cidadão que precisa prestar esclarecimentos à Justiça. Moro está realizando o trabalho dele. Apenas isso", afirmou.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos