Bolsas

Câmbio

Cautela predomina e Ibovespa fecha em queda na véspera do TSE

A cautela predominou no mercado de ações na véspera do início da votação da sessão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que vai julgar a chapa Dilma-Temer e que pode resultar na cassação do presidente Michel Temer. O Ibovespa encerrou o pregão com baixa de 0,10% aos 62.450 pontos e giro financeiro de R$ 4,5 bilhões, 30% menor do que a média diária do ano, que é de R$ 6,4 bilhões.


A prudência também foi causada porque amanhã a Comissão de Assuntos Econômicos do Senado (CAE) deve votar a proposta da reforma trabalhista. A votação das reformas estruturais é um dos pontos considerados essenciais pelo mercado financeiro para que o país volte a crescer.


Além disso, entre as mesas de operação circulam boatos desde a semana passada sobre uma possível delação do ex-ministro Antônio Palocci que poderia envolver bancos e empresas. "O mercado está na operação trincheira. Não quer se expor ao risco", diz um operador.


O índice de volatilidade das ações brasileiras - CBOE Brazil ETF Volatility - caiu 0,48% para 37,51 pontos. O menor valor registrado desde 16 de maio, véspera do início da crise política, quando estava em 32,23.


Entre as ações mais negociadas, os destaques de alta ficaram com os papéis da Suzano Papel e Celulose, que subiram 3,17%, da Fibria, que registrou alta de 2,29% e da Klabin, que subiu 2,39%. Como companhias exportadoras elas se beneficiam com a alta do dólar. A cotação da moeda americana encerrou o dia com valorização de 1,03% a R$ 3,287.


Na ponta oposta, as maiores quedas ficaram com os papéis da Estácio, que recuaram 7,02% e da Kroton, com baixa de 3,19%. As ações da JBS tiveram queda de 4,08%.


O Tribunal do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) já apresentou à Kroton alternativas para aprovar a fusão com a Estácio. Uma opção seria a venda de ativos relevantes de cursos presenciais e de ensino a distância. A expectativa é de que a fusão seja julgada no dia 28 deste mês.


Entre os papéis ligados ao setor de commodities, as ações da Vale fecharam com baixa. As ações ordinárias recuaram 1,08% e os papéis PNA tiveram baixa de 1,65%. O preço do minério de ferro caiu 3,3% em Qingdao, na China, para US$ 55,90 a tonelada.


Já as ações da Petrobras fecharam com alta. Os papéis preferenciais subiram 1% as ações ordinárias tiveram alta de 1,75%. A Petrobras pediu migração para nível 2 de governança corporativa da bolsa de valores. Segundo a estatal, a efetiva adesão dependerá da obtenção das aprovações de todos os órgãos externos necessários, além da celebração, com a B3, do Contrato de Participação do Nível 2 de Governança Corporativa.


As ações que compõem o sistema financeiro fecharam com comportamentos distintos. A maior alta ficou com os papéis do Santander, que subiram 2,80%, e a maior queda ficou com as ações do Banco do Brasil, que caíram 1,71%.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos