Inflação para famílias de baixa renda vai a 0,67% em maio

Influenciada pelo aumento nas contas de luz, o Índice de Preços ao Consumidor - Classe 1 (IPC-C1) acelerou de 0,11% em abril para 0,67% em maio, segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV). O indicador mede a inflação para famílias com renda de até 2,5 salários mínimos. O indicador acumula alta de 1,98% no ano e de 3,47% nos últimos 12 meses.


A inflação para as famílias de menor renda ficou acima da inflação geral, medida pelo IPC-BR, de 0,52%. Em 12 meses, contudo, o IPC-BR acumula elevação de 4,05%, nível acima do registrado pelo IPC-C1.


Das oito classes de despesa avaliadas, o destaque ficou com Habitação (-1,00% para 2,19%), em que a tarifa de eletricidade residencial saiu de queda de 7,83% para alta de 12,53%.


Também aceleraram Vestuário (-0,65% para 0,52%), Transportes (0,12% para 0,31%), Despesas Diversas (0,02% para 0,26%) e Educação, Leitura e Recreação (-0,02% para 0,15%), influenciados por roupas (-0,73% para 0,83%) tarifa de ônibus urbano (0,24% para 0,55%), alimentos para animais domésticos (-0,09% para 1,05%) e salas de espetáculo (-0,74% para 0,51%), nesta ordem.


Em contrapartida, Alimentação foi para o campo negativo (0,71% para -0,29%) enquanto subiram menos Saúde e Cuidados Pessoais (1,27% para 0,81%) e Comunicação (0,58% para 0,21%). Esses grupos refletiram os itens hortaliças e legumes (14,42% para -1,10%), medicamentos em geral (2,46% para 1,18%) e tarifa de telefone móvel (0,68% para 0,35%), respectivamente.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos