Bolsas

Câmbio

Ibovespa cai para 60 mil pontos após comissão rejeitar trabalhista

Após mal estar causado pela rejeição do relatório da reforma trabalhista na CAS (Comissão de Assuntos Sociais) do Senado, o Ibovespa ampliou a queda, mas manteve a faixa dos 60 mil pontos. O índice caiu 2,01% e marcou 60.766 pontos, com giro financeiro de R$ 6,6 bilhões. A rejeição do relatório aumentou as incertezas sobre a aprovação da reforma da Previdência Social, que é um tema mais complexo e de mais difícil aprovação. Mas, de acordo com operadores, o patamar em que o Ibovespa tem oscilado nos últimos dias, entre 60 mil e 62 mil pontos, ainda indica que a aposta dos investidores é de aprovação da reforma da Previdência "mais magra".


Uma reforma da Previdência considerada possível neste momento seria aquela que contemplaria a idade mínima e a regra de transição para aposentadoria, na avaliação de operadores. "Quando o Ibovespa cair abaixo de 60 mil pontos será um indicador de que os investidores começaram a apostar que nem essa reforma será aprovada", diz um operador.


Em um resultado surpreendente, a CAS rejeitou o relatório do senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES) favorável à reforma trabalhista. Ao todo, 10 senadores votaram contra o texto, contra nove votos favoráveis. A CAS é a segunda das três comissões pelas quais tramita o texto no Senado. Ele já havia sido aprovado na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) em maio. A tramitação prevê ainda análise na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), cuja relatoria cabe ao senador Romero Jucá (PMDB-RR). Segundo Ferraço, a aprovação no plenário vai depender da capacidade de mobilização dos senadores.


O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), atribuiu a derrota à mudança de posição individual de alguns parlamentares da base aliada. Para ele, a reforma não está ameaçada e será aprovada pela maioria da Casa a partir do dia 28, quando chega ao plenário. Sérgio Petecão (PSD-AC) estava ausente e no lugar dele votou Otto Alencar (PSD-BA), que faz oposição ao governo; Eduardo Amorim (PSDB-SE) e Hélio José (PMDB-DF), da base governista, foram votos contrários que viraram o placar.


De Moscou, o presidente Michel Temer disse que "votação no Congresso é assim mesmo. Passa numa comissão e ganha na outra. O que importa é o plenário. E no plenário vamos ganhar". Temer faz uma visita oficial de dois dias à Rússia e antes de voltar ao Brasil faz escala na Noruega.


Outro fator de apreensão para os investidores no pregão de hoje foi a reunião da Executiva Nacional do PSDB, marcada para amanhã, que pode decidir pela saída do partido da base aliada do governo. "A questão é que o PSDB está mais preocupado com o apoio para a eleição presidencial do ano que vem do que qualquer outra coisa", diz um operador.


Desde o começo do dia, o Ibovespa já operava em baixa, com a queda das ações de empresas ligadas ao setor de commodities. Os contratos futuros de petróleo WTI com vencimento em agosto fecharam com baixa de 2,2%, cotados a US$ 43,23 o barril. Aqui, as ações preferenciais da Petrobras recuaram 3,50% e os papéis ordinários tiveram baixa de 2,40%. As ações da Vale também fecharam em queda, com os papéis PNA em queda de 2,87% e as ações ordinárias com baixa de 2,58%. O preço do minério de ferro fechou com leve alta de 0,3% em Qingdao, na China, para US$ 56,45 a tonelada.


As ações do sistema financeiro também encerraram o dia com desvalorização, com destaque para os papéis do Banco do Brasil, que recuaram 4,17%. As ações das demais companhias estatais também tiveram queda. As ações PNB da Eletrobras recuaram 4,22% e os papéis ordinários caíram 4,10%.


Também encerraram o pregão em baixa as ações da Estácio, que recuaram 7,11%, a maior queda do dia. De acordo com reportagem do Valor, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) considera a possibilidade de barrar a fusão da empresa com a Kroton. As ações da Kroton recuaram 3,89%.


As ações da JBS caíram 5,35% depois de a empresa anunciar oficialmente o plano de desinvestimentos do seu grupo controlador, J&F Investimentos. A holding pretende conseguir R$ 6 bilhões com a venda de participações na Vigor e na Moy Park, ativos da Five Rivers Cattle Feeding e fazendas.


Na ponta oposta, a maior alta do dia ficou com a Ambev, que subiu 1,12%. "A Ambev é um papel defensivo e costuma ser demandado em épocas de incerteza", diz um operador. Para outro profissional, há um movimento de compra de ações para cobrir posições vendidas, transação conhecida como "short squeeze".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos