Bolsas

Câmbio

Percentual de famílias paulistanas endividadas bate 54,5% em outubro

O percentual de famílias paulistanas endividadas cresceu pelo quarto mês consecutivo em outubro e atingiu a marca de 54,5%, segundo a pesqiosa divulgada nesta quinta-feira pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP).


Segundo o levantamento, o número representa alta de 0,1 ponto percentual em relação a setembro e maior nível de endividamento desde o nono mês de 2015. Em outubro de 2016, as famílias paulistanas endividadas eram 51,9%. Segundo a FecomercioSP, tais percentuais indicam em torno de 2 milhões de famílias.


Na avaliação por renda, o endividamento continua sendo maior entre as famílias que ganham até dez salários mínimos, com um percentual de endividados de 57,6%, apesar da queda de 0,7 ponto em relação ao mês anterior. Para as famílias com renda acima de dez salários mínimos, no entanto, a fatia cresceu 2,2 pontos em relação a setembro, para 45,3%.


Inadimplência


Segundo a assessoria econômica da FecomercioSP, o porcentual de famílias com contas em atraso recuou em outubro. A proporção de famílias inadimplentes correspondeu a 19,6%, queda de 0,7 ponto em relação ao mês anterior, mas alta de 0,8 ponto em relação a outubro de 2016, quando registrava 18,8%.


O único indicador que caiu tanto na comparação mensal e anual foi o de famílias que afirmaram que não terão condições de pagar as contas em atraso no próximo mês: atingiu 7,6% em outubro, queda de 1,9 ponto ante setembro e recuo de 0,2 ponto no comparativo com um ano antes.


O aumento do endividamento apontado pela pesquisa indica um quadro de retomada de consumo via crédito, segundo a FecomercioSP. Isso ficaria mais evidente na análise da média dos quatro meses do segundo semestre quando comparados ao mesmo período de 2016, diz a federação. O endividamento médio sobe de 51,1% para 53,2%, enquanto a inadimplência cresce de 19% para 19,4%. Ou seja, há claramente uma alta mais acentuada de famílias contraindo dívidas e, ao mesmo tempo, conseguindo manter equilibrado o nível de inadimplência.


Entre as famílias com rendimentos de até dez salários mínimos, a proporção de contas em atraso registrou queda de 0,6 ponto na comparação mensal, para 24,4% em outubro. No caso das famílias com renda acima de dez salários mínimos, o percentual caiu 1,2 ponto, passando de 9,3% para 8,1% para o mesmo período.


Modalidade


O cartão de crédito continua sendo o principal tipo de dívida das famílias, atingindo 74,4% das endividadas. Em seguida, aparecem carnês (13,9%); financiamento de casa e financiamento de carro, ambos com 11,2%; crédito pessoal (9,2%); cheque especial (5,8%); e crédito consignado (3,9%).


A FecomercioSP acredita que, nos próximos meses, um grupo de consumidores realizará pagamentos de dívida ou aumentará o consumo com a retirada de recursos de PIS/Pasep.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos