Bolsas

Câmbio

Ex-operador da Odebrecht diz que Lava-Jato faz "delações a la carte"

(Atualizada às 18h20) O advogadoRodrigo Tacla Duranex-operador financeiro da Odebrecht acusou os procuradores da força-tarefa da Operação Lava-Jato de promover "delações a la carte" para tentar incriminar políticos e autoridades. Ele fez a afirmação nesta quinta-feira, em depoimento à Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) da JBS. Segundo Duran, há uma "indústria de delações em Curitiba".


Falando por teleconferência desde Madri, na Espanha, onde vive atualmente, Duran disse ter negociado acordo de delação premiada com procuradores como Sergio Bruno, coordenador da força-tarefa na Procuradoria-Geral da República (PGR) durante a gestão Rodrigo Janot, e Marcelo Miller, que já deixou o Ministério Público. Também relatou ter conversado com os procuradores Deltan Dallagnol, Carlos Fernando Santos Lima, Roberson Pozzobon, Julio Noronha, todos de Curitiba.


"Quando esteve comigo, Marcello Miller começou a listar parlamentares. Ele começava a falar nomes de políticos, autoridades estatais, e perguntou: 'Qual deles o senhor conhece? Qual o senhor pode entregar?'", disse.


Segundo Duran, a negociação para delatar fazia parte de uma "estratégia de defesa contra [eventual pedido de] uma prisão preventiva abusiva". Mas disse que se recusou a fechar acordo de delação premiada com o MPF "porque queriam criminalizar" a profissão dele, "imputar crimes que eu não cometi".


"Percebi que havia uma anisedade do Ministério Público em obter confirmação de fatos alegados contra mim para que eu confirmasse, para que se fechassem casos apenas com delação premiada, sem comprovação dos fatos, sem investigar, sem inquéritos. Esse é o sentido da 'indústria de delação'", afirmou. "'Indústria da delação' porque estão fechando processos penais batendo carimbo, sem investigar."


Duran disse ter contratado o advogado Carlos Zucolotto, padrinho de casamento do juiz Sergio Moro, para negociar seu acordo. Ele contou que Zucolotto lhe ofereceu uma redução de US$ 15 milhões para US$ 5 milhões na multa que lhe seria imposta. Mas que teria que pagar a US$ 5 milhões a título de honorários "por fora".


Apontado pela força-tarefa da Operação Lava-Jato como um dos operadores das offshores criadas pelo "departamento de propina da Odebrecht", Duran acabou não fechando o acordo de delação e teve pedido de prisão expedido por Moro em novembro de 2016, quando já morava na Espanha. Ele chegou a ser preso, mas foi solto em janeiro deste ano.


Moro já disse anteriormente que as citações de Duran a Zucolotto têm o objetivo de atingi-lo e que o considera um "foragido da Justiça brasileira".


Adulteração


O ex-advogado da Odebrecht Rodrigo Tacla Duran disse nesta quinta-feira que o Drousys - sistema de informática para comunicação do setor de propinas da empresa - foi adulterado. Ele fez a afirmação em depoimento à Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) da JBS e com base em uma perícia que contratou na Espanha, onde vive atualmente.


A perícia apresentada por Duran à CPMI indica que o Drousys foi manipulado depois que as autoridades da Suíça, onde os dados eram armazenados, determinaram seu bloqueio, em março de 2016. Ela aponta ainda movimentações em contas de suas empresas após o bloqueio, com extratos apontando "anomalias contábeis".


"Se tem uma prova de adulteração, todas as provas saem daquele sistema são viciadas", afirmou.


Mudanças na delação


Duran tem nacionalidade espanhola e vive na capital daquele país desde 2016. Ele chegou a ser preso ali em novembro daquele ano, a pedido das autoridades brasileiras, durante a 36ª fase da Operação Lava-Jato. Em julho, a Justiça espanhola negou sua extradição, e ele deve ser julgado no país europeu.


Sua convocação para depor na CPMI foi feita a pedido do senador Paulo Rocha (PA) e dos deputados Wadih Damous (RJ) e Paulo Pimenta (RS), todos do PT. Damous é subrelator do colegiado para propor mudanças nos acordos de delação premiada e investigar vazamentos.


Embora não tenha relação com o caso JBS, a oitiva de Duran foi pedida com o objetivo de "investigar o modus operandi das delações premiadas" e auxiliar na elaboração de "proposições legislativas que aperfeiçoem o instituto", segundo requerimento apresentado pelos parlamentares.


A sessão desta quinta-feira foi quase toda comandada pelos parlamentares petistas. Houve apenas uma intervenção do relator, Carlos Marun (PMDB-MS), e outra do senador Lasier Martins (PSD-RS). Presidente do colegiado, o senador Ataídes Oliveira (PSDB-TO) não compareceu.


Outro lado


O ex-procurador Marcello Miller divulgou nota em que contesta as afirmações feitas pelo ex-contratado da Odebrecht.


Na nota, Miller disse que "Rodrigo Tacla Durán é, antes de tudo, um criminoso, que, a pretexto de exercer a profissão de advogado, delinquiu grave e repetidamente".


"É mentira que eu o tenha orientado a gravar conversas com quem quer que seja, mesmo porque, quando procurou a Operação Lava Jato, Tacla Duran dizia não ter acesso a cúmplices dos relatos que apresentava", afirmou. "Também é mentira que eu tenha apresentado a Tacla Durán lista de pessoas sobre as quais ele deveria pronunciar-se. Dialoguei com dezenas de advogados e pretendentes de acordos; todos poderão atestar que isso nunca aconteceu."


A Odebrecht, por sua vez, defendeu-se da acusação de que o Drousys foi adulterado dizendo, também em nota, que "a qualidade e eficácia da colaboração da empresa vêm sendo comprovadas e têm sido instrumento valioso no combate à corrupção nas regiões onde atua".


A seguir a íntegra das notas de Marcelo Miller e da Odebrecht:


Nota de Marcello Miller.


"Marcello Miller esclarece que:


1. Rodrigo Tacla Durán é, antes de tudo, um criminoso, que, a pretexto de exercer a profissão de advogado, delinquiu grave e repetidamente. É também um fugitivo da Justiça brasileira. Mais que isso, é um enganador: enganou a Operação Lava Jato com argumentos artificiosos para deixar o país; e agora tenta enganar o Congresso Nacional com estórias estapafúrdias, inclusive a meu respeito.


2. É mentira que eu o tenha orientado a gravar conversas com quem quer que seja, mesmo porque, quando procurou a Operação Lava-Jato, Tacla Durán dizia não ter acesso a cúmplices dos relatos que apresentava.


3. Também é mentira que eu tenha apresentado a Tacla Durán lista de pessoas sobre as quais ele deveria pronunciar-se. Dialoguei com dezenas de advogados e pretendentes de acordos; todos poderão atestar que isso nunca aconteceu.


4. Nunca dialoguei sozinho com Tacla Durán. Sempre estiveram presentes múltiplos membros do Ministério Público.


5. A marca do enganador é o oportunismo: Tacla Durán aproveita rumores e boatos para tentar angariar simpatias. Espera-se que não prospere em enganar mais ninguém."


Nota da Odebrecht:


"As atividades do Sr. Rodrigo Tacla Duran foram informadas pela Odebrecht às autoridades no processo de colaboração com a Justiça. A Odebrecht vem colaborando com as investigações de forma definitiva, prestando todos os esclarecimentos necessários, e continua à disposição das autoridades. A qualidade e eficácia da colaboração da empresa vêm sendo comprovadas e têm sido instrumento valioso no combate à corrupção nas regiões onde atua."


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos