ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Moreira Franco descarta possibilidade de mudar texto da Previdência

15/12/2017 14h46

O ministro da Secretaria Geral da Presidência, Moreira Franco, reconheceu nesta sexta-feira que o governo ainda não tem os votos necessários para aprovar a reforma da Previdência. Mesmo assim, descartou a possibilidade de novas mudanças no texto e manifestou otimismo com a retomada do debate em fevereiro.


"Não temos ainda o número necessário de votos para aprovar [a reforma da Previdência]. Mas vamos trabalhar intensamente para conseguir até fevereiro", disse Moreira durante evento da revista "Exame". Segundo ele, o governo contabiliza no momento o apoio de aproximadamente 280 deputados. Para aprovar na Câmara, são necessários 308 votos.


Moreira discordou da ideia de que o ano eleitoral pode atrapalhar na conquista de votos. Em sua opinião, se a reforma não for aprovada, ela será o principal tema da campanha presidencial. Caso contrário, argumentou, o debate será dará em torno da necessidade de construir um crescimento sustentável.


"O presidente Temer não vai recuar ou deixar de perseverar. Essa perseverança está muito calcada em avaliações econômicas. Ele acha que é fundamental aprovar a reforma para acabar com este ambiente que estimula uma sociedade com poucos vivendo com privilégios e o resto de forma distinta", acrescentou.


O ministro fez questão de ressaltar que a dificuldade do governo em avançar com o tema não é uma exclusividade desta gestão. Moreira lembrou que os ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e Luiz Inácio Lula da Silva (PT) também tiveram muito trabalho para levarem adiante reformas em seus respectivos governos.


Além disso, voltou a repetir o discurso oficial do governo, de que a mudança no sistema de aposentadoria brasileiro vai permitir iniciar um ciclo de recuperação de emprego, da produção e da credibilidade. "Se não formos firmes, vamos ver no país o que acontece no Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul. Todos com as contas arruinadas e a capacidade de investimento comprometida."

Mais Economia