ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Confiança do comércio atinge maior nível desde julho de 2014, nota FGV

27/12/2017 09h45

A confiança do comércio registrou omaior nível desde julho de 2014,mostrou pesquisa da Fundação Getulio Vargas (FGV).O Índice de Confiança do Comércio (Icom) avançou 2,4 pontos em dezembro, atingindo 94,8 pontos. Em médias móveis trimestrais, o índice subiu 1,8 ponto pelo quarto mês consecutivo.


A alta do Icom em dezembro ocorreu em 8 dos 13 segmentos pesquisados e foi determinada pela melhora no Índice de Expectativas do Comércio (IE-Com), que avançou 4,9 pontos, para 104,8 pontos, o primeiro valor acima dos 100 pontos desde março de 2014 (102,0 pontos). Já o Índice de Situação Atual do Comércio (ISA-Com), caiu 0,4 ponto no mês, para 85 pontos.


"A queda do ISA-Com pelo segundo mês consecutivo mostra que a recuperação de vendas continua sendo um processo gradual", diz o coordenador da Sondagem do Comércio do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), da FGV, Rodolpho Tobler. "Após uma acomodação no mês anterior, o Icom voltou a subir em dezembro, sustentado pela melhora das expectativas. A alta do IE-Com sugere que o setor está otimista com relação à sustentação da fase de recuperação das vendas ao longo do primeiro semestre de 2018. Entre os fatores que vêm impulsionando o otimismo do setor estão a inflação baixa, o ciclo da redução da taxa de juros, as perspectivas de recuperação do mercado de trabalho e a evolução recente da confiança dos consumidores."


Com a alta registrada em dezembro, o Icom médio referente ao quarto trimestre apresentou recuperação na comparação com os três meses antecedentes. Nos dois primeiros trimestres de 2017, o resultado positivo foi influenciado pelas melhores avaliações sobre a situação atual, mas finda o ano com uma confiança motivada mais pelas expectativas em relação aos próximos meses.


A edição de dezembro de 2017 coletou informações de 1.179 empresas entre os dias 1 e 22 deste mês. A próxima divulgação da Sondagem do Comércio ocorrerá em 25 de janeiro.

Mais Economia