ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Juros futuros se mantêm estáveis com expectativa do julgamento de Lula

22/01/2018 18h07

As taxas de juros ficaram perto da estabilidade nesta segunda-feira (22), em uma semana decisiva para os mercados. Investidores evitaram grandes movimentações a dois dias do julgamento do recurso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no caso do triplex do Guarujá (SP), cujo resultado pode, na avaliação de agentes financeiros, alterar todo o cenário para as eleições e a agenda de reformas econômicas.


Já na semana passada, o mercado já operou em modo mais conservador e quem buscou reduzir riscos nos últimos dias prefere, agora, esperar os desdobramentos do julgamento. "As movimentações estão muito pontuais. O mercado está tentando ler o máximo possível sobre se o ex-presidente pode de fato ser impedido de concorrer [às eleições]", diz Luis Laudísio, operador da Renascença.


As dúvidas se justificam, porque, mesmo em caso de condenação em segunda instância, a defesa de Lula pode recorrera processos relacionados ao julgamento em Porto Alegre (RS). Caso essas ferramentas não atendam às demandas da defesa do petista, recursos dirigidos ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) e ao Supremo Tribunal Federal (STF) ainda são possíveis.


Nas mesas de operação, o debate sobre potenciais cenários derivados dos possíveis resultados do julgamentotem ficado mais acirrado. A expectativa é que um placar de 3 a zero contra o ex-presidente ainda gere valorização nos preços (queda dos juros de títulos no mercado secundário e na B3). Um resultado de 2 a 1, por outro lado, serviria de argumento para alta dos DIs, mas nada comparado ao forte rali de taxas previsto em caso de um resultado ainda mais favorável ao ex-presidente Lula.


Ao fim do pregão regular de hoje, às 16h, o DI janeiro/2019 tinha taxa de 6,920% ao ano (6,915% no ajuste anterior), oDI janeiro/2020 subia a 8,090% (8,08% no ajuste anterior),o DI janeiro/2021 operava estável, em 8,93% eo DI janeiro/2023 projetava 9,700% (9,69% no ajuste anterior).

Mais Economia