ipca
-0,21 Nov.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Juros futuros voltam a cair após ajuste nas expectativas de inflação

12/03/2018 10h13

Os juros futuros voltam a operar em queda nesta segunda-feira. A direção das taxas conta com respaldo de novos ajustes para baixo nas estimativas de analistas para inflação e para a Selic.

Conforme apontado pelo Boletim Focus, o IPCA esperado para 2018 agora está em 3,67%, com ligeiro recuo ante os 3,70% na leitura anterior. Já a expectativa de inflação para 2019 saiu de 4,24% para 4,20%.

O que se observa a partir dos números é que o mercado vê inflação comportada o suficiente para um cenário de juros baixos por algum tempo. Os analistas trabalham agora com cenário-base de que a Selic deve cair em março, de 6,75% para 6,50%, em linha com a aposta majoritária nos mercados de juros futuros.

Para o fim de 2019, está mantida a projeção mediana de que a taxa subirá para 8%. A taxa esperada pelos analistas ainda é menor que aquela precificada no mercado de juros futuros, de cerca de 9%. No caso de convergência, ainda haveria espaço para a queda das taxas projetadas pelos contratos de DIs.

Nesta segunda-feira, por volta das 9h30, o DI janeiro/2019 caía a 6,415%, ante 6,450% no ajuste anterior, e o DI janeiro/2020 recuava para 7,240%, ante 7,290% na mesma base de comparação.

Mais cedo, o presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn, reiterou que a inflação começou o ano abaixo do que se imaginava e citou a elevada capacidade ociosa como um dos fatores que explica os índices de preços baixos. A surpresa do BC com a inflação, como apresentada na ata da última reunião do Copom, era uma das condições para queda adicional da Selic.

Ilan destacou ainda que a trajetória de preços está indo em direção à meta. Este é o cenário-base no BC que conta ainda com recuperação consistente da atividade.

Hoje, as taxas de vencimentos mais longos também mostravam ligeiras quedas, com bom humor no exterior.O DI janeiro/2021 cedia a 8,210% (8,250% no ajuste anterior);o DI janeiro/2023 recua a 9,150% (9,190% no ajuste anterior);e o DI janeiro/2025 cedia a 9,580% (9,630% no ajuste anterior).

Mais Economia