Bolsas

Câmbio

PDV incentivado infla o lucro da BR Distribuidora

(Atualizada às 10h21)O aumento de 921% do lucro líquido da BR Distribuidora no quarto trimestre de 2017, para R$ 531 milhões, é fruto de uma base de comparação desigual. No mesmo período de 2016, a empresa registrou um montante elevado de certas despesas que fizeram com que o lucro líquido somasse R$ 52 milhões na ocasião.

Nos últimos três meses de 2016, os custos com o Plano de Incentivo de Desligamento Voluntário (PIDV) totalizaram R$ 443 milhões, enquanto em 2017 ele foi positivo em R$ 1 milhão. As perdas e provisões com processos judiciais e administrativos recuaram 90% entre 2016 e 2017, de R$ 152 milhões para R$ 15 milhões.

Outros itens que destoaram entre o quarto trimestre de 2016 e 2017 foram as perdas estimadas em créditos de liquidação duvidosa do setor elétrico, que passaram de R$ 32 milhões para R$ 10 milhões, e despesas tributárias sobre os resultados financeiros, que foram de R$ 21 milhões para R$ 8 milhões.

As diferenças dos itens contabilizados no quarto trimestre de 2017 e 2016 também influenciaram no resultado do lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês), que subiu 807,3% nos últimos três meses do ano passado, para R$ 744 milhões. Se ajustado para considerar os efeitos destes itens, o Ebitda cresceu 7,7%, para R$ 883 milhões, fruto da redução de despesas operacionais, que recuaram 36,7%, para R$ 1,2 bilhão.

O PIDV deve continuar tendo efeitos sobre os resultados da BR Distribuidora. Ela reabriu o plano em 29 de janeiro para empregados que cancelaram suas inscrições ou apresentaram desistência formal. Até a data de encerramento das inscrições, em 2 de março, de um total de 407 funcionários elegíveis, 83 reativaram sua inscrição. A empresa projeta uma provisão de R$ 31 milhões no primeiro trimestre para pagar as indenizações aos empregados que entraram no PIDV.

Margem bruta

Apesar do aumento de 9,6% da receita líquida no quarto trimestre, a BR registrou uma queda de 0,1% em seu lucro bruto por conta da queda de 0,5% no volume de vendas, para 11 milhões metros cúbicos. Com isto, a margem bruta recuou 0,7 ponto percentual, para 7,8%.

A margem bruta é um indicador que mostra o efeito dos custos de produção sobre a receita de vendas. A margem menor significa que a empresa não conseguiu capitalizar o aumento de preços.

No acumulado de 2017, o lucro bruto recuou 1,5%, para R$ 6,3 bilhões, com queda de 2,4% da receita líquida, para R$ 84,5 bilhões, e de 5,7% do volume de vendas. A margem bruta, porém, permaneceu estável, em 7,5%.

A divisão de rede de postos de combustíveis, principal segmento da BR Distribuidora, registrou uma queda de 6% em seu lucro bruto, para R$ 1 bilhão, com a redução de 5,2% nas margens médias de comercialização. Nos últimos três meses de 2017, ela apresentou uma queda de 4,4% nas vendas, resultado que foi atribuído ao recuo de 4,6% nas vendas do diesel.

Em 2017, o lucro bruto caiu 4,2%, para R$ 3,7 bilhões, com a queda de 4,4% nas vendas.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos