ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Parente acena com pagamento de dividendos da Petrobras no 1º trimestre

15/03/2018 09h50

(Atualizada às 11h04) A Petrobras informou nesta quinta-feira (15) que o conselho de administração determinou a realização de estudos para alterar o estatuto social, com o objetivo de estabelecer o pagamento trimestral de dividendos ou de juros sobre capital próprio (JCP).

Hoje, a companhia informou que obteve prejuízo de R$ 5,4 bilhões no quarto trimestre de 2017, contra lucro de R$ 2,5 bilhões sobre o mesmo período do ano anterior.

Os estudos também têm por meta possibilitar o pagamento de dividendos intermediários à conta de reserva de lucros. De acordo com a estatal,a iniciativa é parte do processo de melhoria de sua governança corporativa e criação de valor aos acionistas.

O resultado do estudo, caso seja aprovado pelos conselheiros, será encaminhando para deliberação da assembleia geral de acionistas. Em dezembro, o conselho da Petrobras aprovou realizar a assembleia geral ordinária em 26 de abril.

Probabilidade "altíssima"

Em entrevista a jornalistas, o presidente da Petrobras, Pedro Parente, afirmou que é "altíssima" a probabilidade da companhia pagar dividendos no primeiro trimestre.

"Achamos que temos uma altíssima probabilidade de pagar dividendos, sim, caso a política seja aprovada pelo conselho e pela assembleia, já nos resultados do primeiro trimestre", disse o executivo.

A discussão sobre o pagamento trimestral surgiu da visão de muitas empresas internacionais que adotam a prática. No Brasil, as instituições financeiras também a fazem, disse Parente.

O executivo afirmou que a proposta de pagamentos trimestrais de dividendos pela Petrobras se deve a resultados com menos incertezas.

Parente também disse que espera impacto do programa de desinvestimentos nos resultados da empresa em 2018.

Segundo o presidente da estatal, a Petrobras pagará meio salário aos funcionários sobre os resultados.

EUA

De acordo com o executivo, o tema da "class action" não depende mais da companhia e, sob o ponto de vista da estatal, a questão está resolvida. "Aquilo que depende de nós foi feito, agora tem um processo que corre na justiça americana", disse, citando a aprovação do juiz e pagamento da primeira parcela.

Parente também afirmou que a possibilidade de impactos não recorrentes nos resultados é menor no futuro e que os passivos não resolvidos no balanço têm diminuído. Destacou ainda que a política de preços da petroleira segue sem alterações.

Mais Economia