ipca
0,48 Set.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Dólar supera R$ 3,30 e bate máxima do ano na véspera do Fed

20/03/2018 18h07

A terça-feira de dólar forte em todo o mundo contaminou as operações no Brasil, onde a moeda americana não só superou a marca de R$ 3,30 como fechou no maior patamar do ano.

Ao término do pregão no interbancário, o dólar subiu 0,73%, a R$ 3,3079. É a mais alta cotação desde 28 de dezembro do ano passado (R$ 3,3135).

Com isso, a divisa reduziu a queda no ano para apenas 0,17%, enquanto ampliou a alta em março para 2,02%. No acumulado de segunda-feira e hoje, o real é a moeda que mais perde numa lista de 33 pares do dólar.

Analistas citam especialmente dois eventos para explicar a esticada do dólar aqui e no mundo. Amanhã o Federal Reserve (Fed, BC americano) poderá sinalizar quatro elevações de juros neste ano.

A probabilidade para esse cenário, embutida em contratos derivativos nos EUA, já subiu de 25% um mês atrás para 40% hoje. Ainda assim, sequer é uma aposta majoritária, o que dá ampla margem de ajuste caso o Fed deixe clara a intenção de subir os juros em quatro momentos ao longo do ano. E o fechamento desse "gap" é visto como um fator de alta para o dólar no período.

"A maior parte do espectro das moedas emergentes deve continuar sob pressão de venda", dizem em nota Hans Redeker e Gek Teng Khoo, estrategistas do Morgan Stanley.

Outro ponto que, segundo o operador de tesouraria de um grande banco nacional, pesou sobre o real hoje foi o acirramento do tom protecionista americano - desta vez em relação à China. De acordo com o "The Washington Post", o governo de Donald Trump planeja impor tarifas anuais de US$ 60 bilhões sobre produtos chineses.

Caso essa medida se confirme, é dada como certa uma retaliação chinesa. Além do efeito negativo decorrente de um estremecimento comercial entre as duas maiores potências econômicas do mundo, a preocupação é que reações de Pequim possam afetar as exportações de mercados emergentes ao gigante asiático. E isso ameaçaria um dos pilares do recente bom desempenho econômico de vários países em desenvolvimento.

"Acho que ainda podemos ver mais algum ajuste de posições em direção mais cautelosa [dólar mais forte] devido a essa questão", diz o profissional.

Tampouco ajudou a taxa de câmbio o "desencontro" entre magistrados do STF a respeito de reunião informal que ocorreria hoje para discussão da possibilidade de prisão de condenados em segunda instância. O tema ganha relevância porque influencia o cenário para o ex-presidente Lula - já condenado em segunda instância e que recorre para evitar ser preso.

Real mais forte até fim do ano?

Apesar de o dólar operar hoje acima de R$ 3,30, a maioria (57%) dos gestores consultados pelo BofA em pesquisa ainda espera que a moeda americana chegue ao fim deste ano no intervalo entre R$ 3,00 e R$ 3,20. Ou seja, os profissionais projetam que a taxa de câmbio se valorizará ante os patamares atuais (R$ 3,3079).

Uma porcentagem de 29% calcula que o dólar fechará o ano entre R$ 3,21 e R$ 3,40.

E um número praticamente igual acredita que a moeda americana ficará ou abaixo de R$ 3,00 ou entre R$ 3,41 e R$ 3,60 ao término de 2018.

Na pesquisa, pouquíssimos gestores (menos de 10% do total consultado) veem o real como o ativo de melhor desempenho no caso de um resultado eleitoral "positivo". A grande aposta nesse sentido é a bolsa de valores.

Newsletters

Receba dicas para investir e fazer o seu dinheiro render.

Quero receber

Mais Economia