Bolsas

Câmbio

Mercedes-Benz abre 330 novos postos para fabricar caminhões no Brasil

(Atualizada às 13h54) Durante a cerimônia de inauguração da nova linha de produção de caminhões em São Bernardo do Campo (SP), Phillip Schiemer, presidente da Mercedes-Benz do Brasil, anunciou a contratação de 330 novos funcionários para as unidades do ABC Paulista e de Juiz de Fora (MG).

Segundo o executivo, 250 contratados irão reforçar a fábrica de São Bernardo, que passará a adotar a tecnologia da chamada indústria 4.0 e unificará as linhas de montagem de caminhões leves, médios e pesados, que eram divididas em duas linhas de acordo com o tamanho do veículo.

Os outros 80 funcionários serão para Juiz de Fora, que ainda possui forte fabricação de caminhões pesados.

Com cerca de 9.800 funcionários nas quatro unidades no país, as contratações em 2018 devem se aproximar de 700 pessoas, segundo Schiemer, uma vez que outros 350 trabalhadores foram contratados no início do ano.

Crescimento

A inauguração da linha de montagem renovada acompanha um período de retomada do crescimento da montadora. Segundo Schiemer, a produção de caminhões e ônibus cresceu 30% nos primeiros meses de 2018, na comparação anual.

"Estamos em um momento de recuperação devido aos juros mais baixos", afirmou o executivo.

Apesar do crescimento, a unidade de São Bernardo ainda opera com apenas um turno de trabalho, com certas operações adotando um segundo turno.

Mesmo com os cerca de 250 funcionários novos que devem ser contratados a partir de abril, a perspectiva é de que essa ampliação de turnos de trabalho só possa ocorrer no segundo semestre, caso a demanda continue crescendo.

A meta agora é que, com os novos trabalhadores, não seja mais necessário trabalhar em sábados alternados.

Com um turno, a companhia tem a capacidade de montar aproximadamente 40 mil caminhões e ônibus por ano, com um segundo turno, a capacidade dobraria.

Mercado interno

Com o mercado interno reprimido pela crise econômica nos últimos anos, a venda de caminhões e ônibus da Mercedes-Benz do Brasil dependeu significativamente das exportações. Para 2018, no entanto, a expectativa é de que as vendas no Brasil avancem mais rápido que a demanda externa.

Segundo Schiemer, a recuperação da economia e as reformas que deram mais previsibilidade ao mercado devem ajudar na retomada interna.

No ano passado, as exportações corresponderam a 40% da demanda, com destaque para as vendas na Argentina e para outros países na América Latina, diz o executivo."Só não crescemos mais [nas exportações] porque o Brasil ainda não é tão competitivo", afirma.

A montadora também iniciou vendas de caminhões e ônibus para outras regiões, como Oriente Médio e África, onde a presença de rivais chineses e indianos dificulta a entrada.

Além das unidades prontas, desde o ano passado, a operação brasileira da Mercedes exporta agregados - partes de caminhões, como o motor - para outras linhas de montagem da marca pelo mundo.

No ano passado, a empresa começou as exportações de agregados para a Alemanha e em 2018 foram exportados os primeiros agregados para os Estados Unidos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos