ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Ibovespa absorve perdas, mas cai 0,64% na semana com cena política

06/04/2018 18h03

O Ibovespa encerrou a primeira semana de abril no vermelho. Com as dificuldades dos investidores de prever o cenário eleitoral em outubro, os ativos de renda variável no Brasil chegaram a oscilar entre o otimismo com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não estar na disputa e a difusão de candidaturas que também deve permear o pleito.

O índice encerrou o pregão de hoje em queda de 0,46%, aos 84.820 pontos, absorvendo alguma melhora depois de ir à mínima nos 83.833 pontos. Pesaram sobre o mercado os receios com o ambiente político e também as preocupações em torno de uma guerra comercial entre os Estados Unidos e a China. Na semana, a queda foi de 0,64%.

Embora o cenário não tenha mudado para o Ibovespa e os fundamentos da economia ainda garantam um bom desempenho até agora ? a alta em 2018 é de 11,02% ?, a conjuntura política é o que deve continuar ditando o ritmo dos investimentos nas próximas semanas, afirma Celson Plácido, estrategista-chefe da XP Investimentos.

O despacho do juiz federal Sérgio Moro que decreta a prisão de Lula animou os mercados por sinalizar que o petista sai enfraquecido para as eleições, afastando o medo de que a agenda de reformas seja descartada. No entanto, além da dificuldade de saber qual será de fato o futuro do petista, o xadrez eleitoral ficou mais embaralhado com a filiação do ex-ministro Joaquim Barbosa ao PSB e a saída de Henrique Meirelles do Ministério da Fazenda.

Ainda que, em um primeiro momento, a negação de habeas corpus de Lula pelo STF e o decreto de Moro tenham dado impulso à bolsa, o vaivém político permanece. Não à toa as ações das estatais reagem a especulações nesse campo, principalmente a Eletrobras, cuja privatização concentrou a aposta dos investidores depois que a reforma da Previdência saiu da agenda do governo. A ON (-9,17%) e a PNB (-8,17%) da elétrica tiveram as maiores baixas do dia, depois das informações de que Paulo Pedrosa deixou a secretaria-executiva do Ministério de Minas e Energia (MME).

Mais Economia