Bolsas

Câmbio

PM dispersa apoiadores de Lula com bombas e gás lacrimogênio

(Atualizada às 00h09) A prefeitura de Curitiba recorreu à Justiça para impedir a realização de manifestações perto da sede da Superintendência da Polícia Federal em Curitiba. A liminar foi concedida pelo juiz Ernani Mendes Silva Filho, na tarde deste sábado.

Manifestantes favoráveis ao ex-presidente Luiz Inácio Lula Silva se preparavam para acampar na frente da sede da PF e fazer uma vigília. Assim que o helicóptero com Lula chegou, a Polícia Militar começou a jogar bombas de gás lacrimogêneo sobre os manifestantes.

A proibição é similar à solicitada na época dos depoimentos de Lula. E impede montagem de estrutura - como barracas - na área de isolamento estabelecida pelo setor de segurança estadual ou federal.

Na área em que estavam os manifestantes favoráveis à prisão de Lula, a PM não lançou bombas para dispersar os presentes.

O tenente coronel Carmo, comandante da Polícia Militar do Paraná, disse que as primeiras bombas jogadas sobre manifestantes pró-Lula foram disparadas por agentes da Policia Federal.

Carmo admitiu que a tropa de choque da PM também jogou bombas, segundo ele porque teve início um tumulto depois das primeiras explosões. "O que desencadeou foram bombas jogadas no meio dos manifestantes. Um levantamento será feito na sequência".

O presidente do PT no Paraná, Dr. Rosinha, também disse que as primeiras bombas foram jogadas pela PF.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos