ipca
0,48 Set.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Movimento no comércio paulistano cresceu 4,5% em abril, diz ACSP

02/05/2018 18h29

A atividade no comércio varejista paulistano cresceu 4,5% em abril, na comparação com igual mês do ano passado, segundo medição divulgada nesta quarta-feira (2) pela Associação Comercial de São Paulo (ACSP). A expansão foi impulsionada pelas vendas a prazo, que avançaram 11,2% em igual intervalo, enquanto as transações à vista caíram 2,3%.

Segundo a ACSP, as vendas parceladas subiram principalmente devido à aquisição de bens duráveis, que estão respondendo à queda dos juros, ao aumento dos prazos e, também, à demanda reprimida por esses itens durante a crise.

"De acordo com relatos de varejistas, o destaque ficou por conta dos televisores, beneficiados pela Copa do Mundo, e também dos eletroportáteis", afirmou em nota Alencar Burti, presidente da entidade.

Já as vendas à vista, de acordo com a ACSP, foram prejudicadas pelas temperaturas mais elevadas na capital paulista, que inibem as compras de itens como roupas e calçados.

"O consumidor, principalmente da classe C, compra por necessidade. Se não estiver fazendo frio agora, ele não compra", comenta Burti. "Além disso, o salário médio parou de subir em março segundo o IBGE, o que também impactou."

Na comparação com o mês imediatamente anterior, as vendas recuaram 10,2% no sistema a prazo e 18,3% no sistema à vista, o que resultou em redução média de 14,3% na passagem mensal. Os dados não contam com ajuste sazonal.

De acordo com o presidente da ACSP, o dado negativo está em linha com a sazonalidade do período e com o observado nos últimos três anos. "Março é um mês em que a economia volta ao normal após o Carnaval. Abril tem muitos feriados. Historicamente é um mês fraco."

De janeiro a abril, o movimento do comércio na cidade de São Paulo aumentou, em média, 4,6% sobre igual período de 2017, com alta de 7,8% nas vendas a prazo, e de 1,3% nos itens à vista. Para Burti, essa tendência deve ser mantida em maio, mês em que a principal data para o varejo é o Dia das Mães. "O Dia das Mães terá um protagonismo dos bens duráveis, após vendas fracas nos últimos anos", comentou.

Newsletters

Receba dicas para investir e fazer o seu dinheiro render.

Quero receber

Mais Economia