ipca
0,48 Set.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Concentrados em abril, IPOs movimentam R$ 6,8 bilhões no ano

09/05/2018 11h53

As ofertas iniciais de ações (IPOs, na siglas em inglês) lideraram as captações de recursos das empresas brasileiras via mercado de capitais no mês de abril, movimentando R$ 6,8 bilhões nas três primeiras operações do ano, segundo a Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima). O resultado no acumulado deste ano (que é o mesmo de abril) é praticamente o dobro do volume registrado nos primeiros quatro meses do ano passado, de R$ 3,5 bilhões.

As três operações, que contaram com emissões primárias e distribuições secundárias dos ativos, foram feitas pelas empresas Hapvida Participações e Investimentos, Intermédica Participações e Banco Inter. Apesar do aumento nos IPOs, se forem consideradas também as operações de emissão de ações (follow-on), o volume de emissões de ações este ano fica 40% abaixo do montante arrecadado no mesmo período de 2017, de R$ 11,4 bilhões.

Segundo a Anbima, a captação total das companhias brasileiras em 2018, até o mês de abril, foi de R$ 52,2 bilhões, ante R$ 40,3 bilhões no ano passado. Em nota, José Eduardo Laloni, diretor do órgão, atribui o aumento à queda da inflação e à redução da taxa de juros, que incentivaram "a busca das empresas por recursos, mesmo com a expectativa de volatilidade por conta das eleições."

Entre as ofertas de ações, 94,6% dos recursos foram destinados à aquisição de ativos ou de atividades operacionais. Já entre as debêntures, 27,1% foram para o financiamento de infraestrutura, ante 12,1% no primeiro quadrimestre de 2017.

As debêntures foram o segundo ativo mais utilizado pelas companhias em abril deste ano, com captação de R$ 6,7 bilhões, 41% maior do que o registrado no mesmo mês do ano passado. Nos primeiros quatro meses de 2018, as debêntures somam R$ 31,9 bilhões, ante R$ 16,9 bilhões em igual intervalo anterior.

Newsletters

Receba dicas para investir e fazer o seu dinheiro render.

Quero receber

Mais Economia