ipca
0,48 Set.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Dólar e juros futuros voltam a cair com trégua no exterior

10/05/2018 09h39

O mercado brasileiro de câmbio acompanha a queda do dólar nas principais praças globais, num dia de aparente trégua, após a pressão vinda de incertezas com o aperto monetário nos Estados Unidos e temores sobre guerra comercial. O sinal das moedas também abre espaço para queda dos juros futuros, que contam ainda com o resultado contido do IPCA de abril.

Por volta das 9h30, o dólar comercial caía 0,83%, a R$ 3,5654, se afastando, pelo menos, por ora da marca de R$ 3,60.

O contrato futuro para junho, por sua vez, tinha queda de 0,46%, a R$ 3,5825.

A divisa brasileira tem um comportamento de meio de tabela na lista das principais divisas globais. No exterior,um dos principais eventos do dia é a divulgação do índice de preços ao consumidor nos Estados Unidos.

Numa lista das 33 principais divisas globais, apenas cinco ainda perdem terreno contra o dólar num movimento bastante contido. Entre elas, está a libra esterlina, que saiu do terreno positivo, após a decisão do Banco da Inglaterra (BoE) de manter juros inalterados.

O ambiente externo e o sinal do dólar no Brasil também contribuem para o alívio dos juros futuros. Ainda em nível elevado, o DI janeiro de 2023 recuava a 9,610% (9,680% no ajuste anterior) e o DI janeiro de 2025 cedia a 10,110%, de 10,190% no ajuste anterior.

O trecho mais curto da curva de juros ainda conta com resultado baixo do IPCA de abril. O indicador de inflação acelerou para 0,22%, ante 0,09% em março, mas ficou abaixo da média de 0,28% esperada por economistas ouvidos pelo Valor Data.

O comportamento ainda contido da inflação no Brasil ampara as apostas de corte da Selic na decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) na semana que vem, do nível atual de 6,50% para 6,25%. Por outro lado, a instabilidade no câmbio e as incertezas no exterior têm abalado o sentimento no mercado e a convicção já não é a mesma de semanas atrás.

O DI janeiro de 2019 caía a 6,280% (6,295% no ajuste anterior) e o DI janeiro de 2020 cedia a 7,260% (7,340% no ajuste anterior). Já o DI janeiro de 2021 tinha queda a 8,360% (8,440% no ajuste anterior).

Newsletters

Receba dicas para investir e fazer o seu dinheiro render.

Quero receber

Mais Economia