Bolsas

Câmbio

IPCA acelera alta para 0,22% em abril e aumenta 2,76% em 12 meses

(Atualizada às 10h51) O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação oficial brasileira, acelerou a alta de 0,09% em março para 0,22% em abril, divulgou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado ficou acima também daquele registrado em abril de 2017 (0,14%).Em 12 meses, o indicador saiu de 2,68% de avanço até março para 2,76% até abril.

Mesmo com o avanço, o índice está abaixo do limite inferior da meta de inflação do governo há dez meses. O piso da inflação é de 3% neste ano ? com centro da meta a 4,5% e margem de flutuação de 1,5 ponto percentual, para mais ou para menos.

Nos quatro primeiros meses do ano, a inflação acumulada é de 0,92%, abaixo do 1,10% registrado em igual período de 2017. É o menor índice para período desde a implementação do Plano Real, em 1994.

Apesar da aceleração, o resultado ficou, mais uma vez, abaixo da média das expectativas do mercado. Analistas de 36 consultorias e instituições financeiras consultadas pelo Valor Data previam, na média, IPCA de 0,28% em abril. O intervalo dessas projeções ia de 0,25% a 0,34%. Em 12 meses, as estimativas apontavam para um IPCA de 2,83%.

Nos últimos meses, a inflação tem surpreendido sistematicamente os agentes financeiros com dados abaixo do esperado. Alguns deles acreditam que isso é reflexo da recuperação ainda lenta da atividade econômica e duas ótimas safras agrícolas.

Dos nove grupos avaliados pelo IBGE, sete tiveram variações mais altas de preços na passagem de março para abril, com destaque para saúde (0,48% para 0,91%), que sentiu oefeito do reajuste no preço dos medicamentos (+1,52%). Esse grupo contribuiu com 0,11 ponto percentual para o IPCA de abril.

Vestuário, por sua vez, acelerou de 0,33% em março para 0,62% um mês depois, contribuindo com 0,04 ponto para a inflação do mês. As roupas femininas ficaram, em média, 1,66% mais caras.

O grupo Alimentação e bebidas, responsável por um quarto do orçamento das famílias, teve uma aceleração modesta, de 0,07% para 0,09%.

Nos Artigos de residência, a inflação foi de 0,08% em março para 0,22% em abril, com destaque para eletrodomésticos (0,42%).

Habitação subiu 0,17%, impulsionado pela alta da energia elétrica (0,99%), reflexo de reajustes nas tarifas em cinco das 13 regiões pesquisadas. Mesmo assim, o resultado ficou abaixo do verificado em março (+0,19%).

Entre os nove grupos de produtos e serviços pesquisados, apenas Comunicação apresentou deflação, de 0,07%. Transportes tiveram estabilidade, com a alta da gasolina (0,26%) sendo compensada pela queda do etanol (2,73%).

Passado o período de reajustes, Educação desacelerou de 0,28% para 0,08% de março para abril.

O IPCA mede a inflação para as famílias com rendimentos mensais entre um e 40 salários mínimos, que vivem dez regiões metropolitanas do país, além dos municípios de Goiânia, Campo Grande e de Brasília.

[module:valor_wysiwyg|src:sites/default/files/infograficos/Brasil/IPCA/IPCA_abril2018_1165.html|width:100%|height:1165]

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos