ipca
0,48 Set.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Ibovespa cai de olho em dólar; Petrobras ajuda na semana

11/05/2018 17h45

A busca por proteção contra ativos de risco que impulsionou o dólar pesou sobre a bolsa e colocou o Ibovespa no campo negativo hoje. O movimento muito positivo da Petrobras nos últimos pregões, porém, levou o índice a fechar a segunda semana de maio no azul.

Hoje, o Ibovespa encerrou em baixa de 0,75%, aos 85.220 pontos, depois de ceder à mínima nos 85.183 pontos. O giro financeiro foi de R$ 11,1 bilhões. Na semana, porém, o índice acumulou alta de 2,53%.

O movimento de maior proteção contra o risco no mundo, que levou o dólar a se fortalecer globalmente, afetou ativos considerados mais arriscados, caso do Brasil. Isso justifica a baixa mais forte de ações líquidas, como os bancos, com Itaú Unibanco (-1,60%), Bradesco ON (-2,17%) e Bradesco PN (-1,79%) entre os destaques.

A maior queda do dia ficou concentrada no setor de educação, com Kroton (-15,21%) e Estácio (-9,90%) entre os piores desempenhos do dia. O pessimismo com as empresas foi resultado da divulgação das projeções da Kroton para este ano, com perspectiva de retração em todos os principais indicadores.

Já a Petrobras PN, que vinha em um ritmo positivo hoje depois de quatro pregões positivos, inverteu a tendência e caiu 1,20% pela realização de lucros no papel ? na semana, a alta acumulada da ação foi de 14,23%. Já a ON conseguiu se sustentar no campo positivo e subiu 0,38% hoje; na semana, a valorização foi de 21,18%.

Na ponta positiva, o destaque de hoje foram as ações da EDP Energias do Brasil (+15,56%), maior alta do Ibovespa. A ação subiu com forte volume, de R$ 189,6 milhões, ante R$ 50,3 milhões negociados ontem. O motivo da disparada foi a expectativa de que a possível aquisição do controle da portuguesa EDP pela chinesa CTG resulte em uma oferta pelas ações dos minoritários da controladora brasileira, informam as repórteres Graziella Valenti e Camila Maia.

Segundo fontes de mercado, o movimento das ações da EDP também é explicado pelo efeito "short squeeze", ou seja, quando investidores compram ações no mercado à vista para cobrir posições vendidas a descoberto.

Na sequência, as ações da Natura (+14,65%) e da B2W (+8,06%) reagiram à divulgação dos dados do balanço do primeiro trimestre deste ano. No caso da Natura, houve ainda elevação da recomendação pelo Itaú BBA hoje.

Newsletters

Receba dicas para investir e fazer o seu dinheiro render.

Quero receber

Mais Economia