ipca
0,48 Set.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Dólar opera na casa de R$ 3,58 com atenção ao exterior e oferta do BC

14/05/2018 09h49

O dólar inicia a semana em queda ante o real, afastando-se, pelo menos por ora, da marca de R$ 3,60, em meio a pressão mais contida do exterior. A queda da divisa americana também antecede a nova atuação do Banco Central (BC) para a oferta de contratos de swap cambial, de modo a tentar suavizar a instabilidade no câmbio.A partir de hoje, a autoridade monetária injetará dinheiro "novo" no sistema por meio desses papéis.

A atuação do BC no câmbio acontece poucos dias antes da decisão do Comitê de Política Monetária (Copom), na quarta-feira. O economista-chefe do Rabobank Brasil, Maurício Oreng, não se enxerga uma ligação deste movimento nos swaps com a política de juros do Copom.

Até por isso, a expectativa é de corte da taxa básica, do patamar atual de 6,50% para 6,25%, no que deve ser a última queda de 2018. Ainda assim, a leitura é de que o colegiado deve endurecer o tom em relação aos seus próximos passos, com poucas chances de vislumbrar mais baixas da Selic.

Nesta manhã, o mercado brasileiro de câmbio registra o melhor desempenho numa lista das 33 divisas globais, dividindo a primeira colocação com o rublo russo. Outros emergentes, como o peso mexicano e zloty polonês, também ganham espaço contra o dólar. O ambiente um pouco melhor para ativos de risco no exterior também é reiterado pelo avanço dos índices futuros de ações de Nova York.

Às 9h44, o dólar comercial cedia 0,47%, a R$ 3,5842. O contrato futuro para junho, por sua vez, tinha baixa de 0,64%, a R$ 3,5845.

Os juros futuros oscilam entre estabilidade e leves altas. As taxas embutem cerca de 70% de chances de corte da Selic nesta semana. Por outro lado, diante da alta do dólar, tem subido a percepção de risco sobre uma antecipação de uma normalização das condições monetárias.

O DI janeiro/2019 marcava 6,325% (6,315% no ajuste anterior); DI janeiro/2020 subia a 7,330% (7,290% no ajuste anterior); DI janeiro/2021 operava a 8,380% (8,370% no ajuste anterior); DI janeiro/2023 registrava 9,510%, estável; DI janeiro/2025 tinha taxa de 9,990% (9,980% no ajuste anterior).

Newsletters

Receba dicas para investir e fazer o seu dinheiro render.

Quero receber

Mais Economia