ipca
0,45 Out.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Dólar bate R$ 3,77 em meio à pressão sobre moedas emergentes

05/06/2018 10h08

O dólar e o juros futuros operam em firme alta nesta terça-feira, refletindo a desvalorização das principais divisas emergentes. No Brasil, a moeda americana avançava 0,72% às 10h04, a R$ 3,7705, enquanto as taxas dos DIs também sobem, principalmente em vencimentos de médio e longo prazo.

O pano de fundo é o aumento das preocupações com uma guerra comercial. O México anunciou uma lista de produtos dos Estados Unidos que serão tarifados entre 15% e 25%. A iniciativa faz parte de medidas de retaliação contra as tarifas que o presidente americano, Donald Trump, impôs sobre alumínio e aço que entram nos EUA. Até por isso, numa lista de 33 divisas globais, o peso mexicano tem o pior desempenho ante o dólar, seguido pelo rand sul-africano e a lira turca.

O real brasileiro não tem uma colocação muito melhor, oscilando entre a quinta e a sexta pior posição da lista. O que tem deixado o mercado brasileiro mais frágil é a incerteza no quadro político. Tem prevalecido entre os profissionais de mercado uma desconfiança com a eleição de um candidato reformista, o que foi agravado pela crise dos combustíveis. A preocupação é que discursos mais populistas tenham ganhado força nas últimas semanas, dificultando o avanço da pauta de ajuste de contas públicas.

O desânimo com a cena política também afeta os juros de longo prazo e a pressão do exterior só piora o ambiente de negócios.As taxas têm subido mesmo com a intervenção do Tesouro Nacional na renda fixa. Hoje, a instituição faz o último leilão de compra de NTN-F - no montante de até 1,5 milhões de papéis - dentro do programa de três atuações anunciado na última quarta-feira.

Às 10h05, o DI janeiro/2019 avançava a 6,745% (6,710% no ajuste anterior); oDI janeiro/2020 tinha alta a 7,690% (7,620% no ajuste anterior); e oDI janeiro/2021 subia a 8,820% (8,760% no ajuste anterior). ODI janeiro/2023 marcava 10,680% (10,570% no ajuste anterior) enquanto oDI janeiro/2025 registrava 11,470% (11,350% no ajuste anterior).

Mais Economia