Preços nas alturas

inflação

A inflação de agosto foi a mais alta para o mês desde 2000. Veja quanto subiram alguns produtos desde o começo do ano

↑ 40,75%

Etanol

iStock

A safra de cana foi impactada pela seca, e deve ser 12% menor entre 2021 e 2022, segundo a Unica (União da Indústria de Cana-de-Açúcar).

Gasolina 

iStock

↑ 31,09%

Reajustes feitos pela Petrobras, acompanhando o dólar alto, foram o principal componente para o aumento.

Açúcar refinado

↑ 27,11%

A redução na safra de cana também impactou a produção de açúcar.

Gás de cozinha

Victor Moriyama/Folhapress

↑ 23,79%

O GLP também é um derivado do petróleo. Por isso, o preço tem sido reajustado pela Petrobras de acordo com o dólar, que está alto.

Café moído

↑ 17,72%

O país teve safra menor de café por causa de condições climáticas.

Frango em pedaços

↑ 17,09%

O aumento é resultado da alta de vários insumos: soja e milho, usados na ração; combustível, no transporte; e energia elétrica, fundamental na criação de aves.

Feijão mulatinho 

Getty Images

↑ 13,49%

A seca e o aumento no preço de insumos, como fertilizantes, também pressionaram o preço do feijão.

Acém

Evgeny Karandaev

↑ 13,49%

No geral, as carnes de boi, porco e carneiro tiveram aumento de 8,75%. O preço de insumos, como a ração animal, foi novamente um vilão.

Energia elétrica

↑ 10,61%

Com a falta de chuvas foram acionadas usinas termelétricas, de produção mais cara.

Edição: Armando Pereira Filho

Fonte: IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), do IBGE.

Reportagem: Giulia Fontes

Publicado em 11 de setembro de 2021.